Sergipe

30/09/2009 às 15h28

PRF apreende remédios avaliados em cerca de R$ 15 milhões

Redação Portal A8

Numa operação realizada desde o inicio da manhã desta quarta-feira (30), por policiais rodoviários federais da Bahia e Sergipe, foram apreendidos uma grande quantidade de remédios avaliados em cerca de R$ 15 milhões. Os medicamentos estavam em galpões localizados nos conjuntos Marcos Freire II e III, em Nossa Senhora do Socorro.

A operação foi resultado de uma investigação realizada pela Policia Rodoviária Federal na Bahia, que apontou para a comercialização de remédios sem nota fiscal, sem receita médica e sem o devido acondicionamento, entre os dois Estados.

Segundo o inspetor da PRF da Bahia e coordenador da operação, Virgilio Tourinho, as investigações começaram após apreensões dos medicamentos em cidades e nas rodovias federais no Estado. Ao interrogar os caminhoneiros, eles informavam que a origem do remédio seria de Sergipe. "Os motoristas sempre apontavam para Sergipe", afirmou o policial.

De acordo com a PRF, os medicamentos foram vendidos em farmácias dos municípios baianos de Feira de Santana, Ribeira do Pombal e os localizados nas proximidades da BR-324. "Eram comercializados onde não havia acompanhamento, nem fiscalização", informou o inspetor Tourinho.

O especialista em regulação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, João Roberto Ferreira de Castro, que acompanhou a operação, os remédios encontrados no depósito devido ao mau acondicionamento podem ter perdido o efeito. Entre os medicamentos apreendidos estão de uso pediátrico e gástrico. Durante a inspeção nos depósitos foram encontrados remédios com mofos e as caixas amassadas.

Segundo Antonio Monteiro, proprietário dos galpões e responsável pela comercialização dos medicamentos não existe nenhuma irregularidade fiscal nas vendas dos remédios, no entanto reconheceu a falta de conservação dos mesmos, mas alegou que as infiltrações nos prédios foram em virtude das últimas chuvas no Estado. "Está tudo legal, tudo com nota", disse ele. O empresário revelou que há dois meses um dos galpões foi arrombado e parte da mercadoria levada.