Sergipe

22/09/2009 às 08h09

Polícia apresenta quadrilha de ciganos golpistas

Redação Portal A8

A Polícia Civil, através do Departamento de Defraudações, apresentou na manhã desta quarta-feira (23) os detalhes Operação Quiromancia` que teve o objetivo de prender uma família de ciganos acusada de aplicar golpes no comércio sergipano de quase R$ 1 milhão.

A operação que mobilizou 22 policiais, divididos em sete equipes, prendeu quatro acusados de aplicar golpes a comerciantes e pessoas físicas de Aracaju, Lagarto, Itabaiana, Estância, Nossa Senhora do Socorro e Campo do Brito.

A delegada Pureza colocou que eles andavam fortemente armados (Foto: SSP)

A investigação para desarticular a quadrilha foi iniciada em janeiro de 2009 pelo delegado Joel Ferreira e continuou em maio deste ano com as equipes das delegadas Maria Pureza e Viviane Pessoa.

As investigações contaram com os trabalhos da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial (Dipol). Logo após serem enganadas cerca de 15 vítimas procuraram à delegacia para denunciar os falsos comerciantes.

Foram apreendidos documentos, armas e celulares (Foto: SSP)

 

 

 

Entre os veículos apreendidos estava este caminhão (Foto: SSP)

De acordo com a delegada Maria Pureza, a quadrilha era formada por pessoas de origem cigana cuja naturalidade ainda é desconhecida.

As investigações mostraram que eles negociaram dezenas de veículos por mais de um ano em Sergipe. A delegada explica que nesse período eles ganharam à confiança dos comerciantes e demais vendedores de veículos, devido à quantidade de carros comprados e vendidos com cheques de boa procedência.


A partir do momento em que ganharam crédito no mercado local passaram a ter referências positivas. A cartada final foi dada em novembro de 2008 quando eles montaram na Praça dos Expedicionários, no bairro Siqueira Campos, a empresa SSQ Locadora de Veículos para elevar a compra e vendas de veículos. Conforme Maria Pureza, os acusados compraram dezenas de veículos de várias marcas, entre eles, carros avaliados em cerca de R$ 80 mil. A negociação era sempre feita com cheques pós-datados.

Para fugir do estado com a frota de veículos, os acusados alugaram um caminhão cegonha que ficou repleto de carros. Além dos veículos, eles também furtaram à piscina do sítio em que moravam no conjunto Itacanema II, no Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro. Durante as investigações, a polícia descobriu que os acusados andavam fortemente armados e que teriam assaltado agências bancárias no Ceará e em Irecê, interior da Bahia.

A polícia revelou a relação com os nomes dos presos, mas diante da quantidade de documentos falsos apreendidos ainda não foi confirmado a identidade definitiva dos suspeitos. Foram presos Carlos Zario Pereira Silva, 33 anos, mas que também se apresenta como Gilson Pereira da Silva ou Carlos Camelo, ou ainda Carlos Cigano. Ele ainda utiliza um codinome de Gordo. Uma informação a polícia não tem dúvidas: ele é o líder da quadrilha. Também foram presos Severino Ramos da Silva, o ‘Do Ramo`, 28 anos, e mais dois homens identificados apenas pelos apelidos de ‘Manezinho` e ‘Ivanildo` ou Bulego.

Com os acusados foram apreendidos uma pistola 45, de uso restrito, munições, um revólver calibre 38, sete carros e uma motocicleta. "Todos os materiais apreendidos ficarão à disposição da Justiça", contou Pureza.