Sergipe

23/03/2009 às 18h55

Professores estaduais voltam às aulas e municipais permanecem em greve

Redação Portal A8

Após 15 dias de paralisação, os professores da rede estadual de ensino encerraram a greve na tarde desta segunda-feira (23). Em assembléia, os docentes avaliaram a proposta do Desembargador Edson Ulisses de Melo, em realizar na próxima quinta-feira (26), às 9horas, no Tribunal de Justiça, uma audiência de conciliação entre o Sintese e o Governo do Estado.

"Deliberamos pelo encerramento da greve porque esperamos que nesta audiência de conciliação o Governo nos apresente soluções concretas para pagar o Piso Nacional. Só queremos que ele cumpra a lei", disse o secretário de Comunicação do Sintese, Roberto Silva, acrescentando que a categoria também analisou os danos para o Sindicato caso tivesse que parar a multa diária no valor de R$ 5 mil determinada pela Justiça. "O dinheiro do Sintese é para investir e não para entregar ao Governo", observou.

Amanhã, os professores retornam as salas de aulas, mas não deixam a luta de lado. Às 10 horas vão se reunir com o presidente do TCE, desembargador Reinaldo Moura, para levar toda a documentação provando as irregularidades na folha de pagamento da Secretaria de Estado da Educação e na quarta-feira (25) irão ao MPE.
"Na quinta-feira, enquanto os representantes estiverem na reunião, os professores estarão na porta do TJ vestidos de preto e segurando velas. Mostrarem que somos os órfãos do Piso", disse Silva.

Professores da Rede municipal

Enquanto os professores da rede estadual tentam conciliação com o Governo, os da rede municipal decidiram continuar a greve. De acordo com a presidente do Sindicato dos Profissionais de Ensino de Aracaju (Sindipema), Maria Elba Silva, na assembléia realizada na tarde desta segunda-feira (23) a categoria não aceitou a resposta da Prefeitura em não poder aumentar de nenhuma forma os salários dos professores.
"Eles disseram que houve queda na arrecadação e que por isso não vão poder dá nenhum tipo de aumento aos professores. Queremos saber onde estão os outros impostos que a PMA recebe e que tem que repassar 1/4 para a educação. Estamos revoltados com o prefeito Edvaldo Nogueira", reclamou Elba.
Amanhã (24), a presidente do Sindipema Maria Elba irá se pronunciar na Câmara de vereadores. Já na quarta-feira (25), os professores municipais fazem mobilização em frente ao Centro Administrativo da PMA e na quinta, 26, voltam a se reunir em assembléia para avaliar o movimento.