Sergipe

23/03/2009 às 17h47

Suspensa greve de ônibus

Redação Portal A8

Apesar do impasse entre o Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviários de Aracaju (Sintra) e do não legalizado Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Aracaju (Simco), referente às questões salariais e de condições de trabalho enfrentada pelos motoristas e cobradores do serviço de transporte público em Aracaju, não haverá paralisação das atividades; pelo menos por enquanto.

Após a reunião ocorrida na quinta-feira passada (20), quando a comissão formada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju (Setransp), Ministério Público, Sintra e Simco decidiram formar assembléia para definir maneiras de solucionar as reclamações da classe trabalhadora em questão; o presidente do não-oficial Simco, Adriano Oliveira, não aceitou a proposta de reajuste salarial apresentada pelas empresas de 6,5%, com acréscimo de R$ 15 em ticket alimentação.

Diante deste panorama, o presidente do sindicato oficial (Sintra), João Batista, retirou-se do local e desde então, os ânimos que já não estavam dos melhores, só fez piorar. A categoria dividida fica enfraquecida diante da ‘possibilidade` de se filiar a ‘dois sindicatos` e com isto, as negociações tendem a ficar mais tempo na morosidade.

De acordo com Oliveira, haveria sim uma paralisação amanhã, terça-feira (24), contudo, pelo fato do Sintra ‘voltar atrás` e sinalizar interesse em continuar com as negociações junto às empresas, o Simco optou por promover uma reunião com a classe ontem (domingo, 22) na Praça da Bandeira, onde ficou definida uma interrupção na idéia original de paralisar as atividades esta semana.

Ainda segundo ele, foi formada uma comissão na assembléia legislativa com três vereadores (Jailton Santana, Valdir Santos e Fábio Mitidieri), cujo objetivo é encontrar uma saída para o impasse. A reunião ocorreu às 10 horas da manhã de hoje na sede do legislativo municipal com representantes do Simco; amanhã os vereadores acima citados devem se reunir com os empresários às 10 horas na sede do Setransp.

Enquanto isto, o presidente do Sintra, João Batista, entende que o Adriano Oliveira está atrapalhando a categoria, uma vez que fica a inflamar e disseminar discórdia entre os colegas. O sindicalista acredita que a proposta de 6,5% mais 12% em ticket alimentação - apresentada pelas empresas - poderia ser levada à categoria com mais ‘cautela`, pois decisões mais diretivas poderiam implicar numa perda da Convenção Coletiva (acordo firmado entre a categoria e as empresas ao longo de décadas, que formaliza algumas conquistas, como ticket alimentação e o plano de estabilidade para a aposentadoria - que proíbe as empresas de demitirem funcionários com menos de um ano para se aposentarem).

Impasse

Um motorista de ônibus recebe atualmente R$ 995 enquanto um cobrador R$ 550 e R$ 190 em ticket alimentação, para uma carga horária que deveria ser de 6 horas corridas, contudo, o Sintra mostrou-se pelo menos ligeiramente ‘atraído` pela proposta de 6,5% de aumento com 12% de ticket, ao passo que o Simco defende um reajuste salarial de 12% e acréscimo de R$ 50 em tickets.

Apenas em um ponto ambos concordam: é extremamente comum a categoria ultrapassar as seis horas diárias de trabalho sem o recebimento de hora extra. De acordo com Batista, este impasse só traz prejuízos. "A categoria é quem mais perde com esta dificuldade que o senhor Adriano está impondo, sem dúvidas", disse o sindicalista, que preside a instituição há oito anos, tendo presidido outra equivalente por igual período anteriormente.