Sergipe

10/03/2009 às 17h21

Aracaju ganhará Feira de Produtos Orgânicos

Redação Portal A8

Discutir alternativas para a implantação de uma Feira de Produtos Orgânicos em Aracaju, motivou uma reunião na tarde de segunda-feira(9) no auditório da Secretaria de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário (Seagri). De acordo com o Secretário Paulo Viana existe a viabilidade de se organizar uma feira na capital sergipana, tendo como suporte agricultores familiares que labutem com produtos orgânicos, ou agroecológicos, cujo segmento tem se expandido em Sergipe.

Ele destacou a amplitude do mercado que se mostra crescente, e no caso de Sergipe, o interesse da população que busca mudanças alimentares, optando com ênfase para os produzidos de forma natural.

"Temos redes de supermercados, hotéis e pousadas, além de restaurantes em diversos pontos do Estado e concentrados na sua maioria em Aracaju. Necessário se faz conscientizar os produtores para que se organizem associativamente e estruturalmente, para que se torne possível atender à demanda, pois vem se ampliando fortemente o consumo de produtos agroecológicos em Sergipe".

Paulo Viana citou a Primeira Dama do Estado, Eliane Aquino, que tem revelado interesse em disseminar a prática agroecológica como instrumento de mudança alimentar, apoiando uma feira que possa acontecer em Aracaju, que ao tempo que propicie alimentos de qualidade comprovada pela isenção de agrotóxicos, lastreia com a possibilidade de mercado constante, agricultores familiares, que são prioridade da política de desenvolvimento e de inclusão social do Governo do Estado.

Nas discussões ficou acertada a efetivação de um mapeamento das áreas de produção orgânica, quantificando não apenas o volume mas a diversidade que possa a vir ser oferecida, elegendo os produtos que tenham mais mercado, ao tempo que se orienta os agricultores para a necessidade de formalizarem uma organização, que permita contextualizar o processo de comercialização com mais facilidade, particularmente quando o público também venha a ser Pessoa Jurídica, no caso de hotéis, restaurantes, pousadas ou organismos públicos estaduais, municipais e federaias, inferidos em programas onde se insira o fornecimento de componentes da alimentação.

Ainda no encontro foi sugerida a identificação dos parâmetros que tipifiquem os produtos como orgânicos ou agroecológico, assim como cadastrar os produtores, intensificando o processo associativo que tenha o cunho de se tornar a própria representação, podendo se definir como cooperativa.

Para Marcos Emílio de Almeida, da Cohidro, Gerente do Perímetro de Irrigação do Piauí, localizado em Lagarto, somente naquela unidade irrigada, 16 produtores já estão engajados no processo agroecológico, havendo possibilidade de outros tantos agricultores familiares migrarem do cultivo tradicional. "Essa possibilidade já foi discutida no campo, o que torna possível a transição não apenas para hortigranjeiros, mas também ampliando-se para a fruticultura, o que abre o leque de opções ofertadas na diversidade e no volume produtivo, por se tratar, inclusive, de área irrigada".

Já ficou acertada uma próxima reunião para o dia 18, às 15 horas, no mesmo local, para que os resultados colhidos no campo junto aos agricultores, possam permitir uma amostragem mais real possível no que tange à adesão, dando-se prioridade aos agricultores comprometidos com a causa orgânica e que tenham o hábito de manter acordos, pois estes serão a base de se mensurar o tamanho da Feira e a sua periodicidade.

Com informações da ASN