Mundo

16/11/2010 às 08h56

Livro reúne cartas de transplantados a doadores

Redação Portal A8

Um livro reunindo cartas de pacientes transplantados para doadores e suas famílias está sendo lançado na Grã-Bretanha.São 50 cartas dedicadas ao doador, que não está mais presente, e a todas as famílias que disseram "sim" à doação de órgãos.

Thank You For Life (em tradução livre, Obrigado Pela Vida) é uma iniciativa dos médicos Andrew Burroughs e Linda Selves e está sendo publicado pelo Royal College of Physicians, uma associação de médicos britânicos."Obrigado é uma expressão usada com frequência e, às vezes, de passagem. Este não é esse tipo de obrigado" - diz uma das cartas, escrita por um paciente para agradecer os parentes de um doador de quem ele recebeu um fígado.

"É um obrigado diferente, que desafia o (idioma) inglês, e, de fato, qualquer língua da Terra.""Mas como dizer obrigado a alguém quando, por causa de você e da generosidade das pessoas que você ama, estou vivo hoje e continuo a viver?""Não se trata apenas de presentear (alguém) com um órgão, é o presente de uma vida. Não sei como alguém pode verdadeiramente expressar, com palavras, seus sentimentos a alguém que lhe deu a vida.""Posso apenas tentar", diz o paciente.

Orgulho

Comentando a iniciativa, a mãe de uma doadora disse que, para as famílias envolvidas, receber um obrigado do paciente transplantado tem um valor incalculável.A filha de Cathy, Emma, morreu repentinamente. Ela carregava um cartão de doadora, pedindo que seus órgãos fossem transplantados após sua morte.

O fígado de Emma permitiu que Simon, professor e artista, vivesse saudavelmente durante os últimos nove anos.Regularmente, Cathy recebe notícias de Simon e de sua família, o que, ela explica, lhe traz grande conforto."O fato de que Simon continua bem torna nossa família orgulhosa do desejo de Emma de ser uma doadora.""É preciso muita coragem para que o receptor e sua família tomem a decisão de dizer obrigado de alguma maneira, mas o efeito que isso tem sobre as famílias dos doadores é incalculável."

 Fonte:BBC Brasil