Mundo

29/04/2010 às 14h49

Filho da menor mãe inglesa é quase do tamanho dela

Ela sofre de um problema raro em seus ossos e mede apenas 93 centímetros, seu filho mede 76 cm

Redação Portal A8

 

O filho de apenas 14 semanas já é maior que a mãe (Foto: R7)

Amanda Moore, de 25 anos, se tornou a menor mãe do Reino Unido quando, no ano passado deu luz a um garoto, Aidan, que nasceu de cesariana.

 

Ela sofre de um problema raro em seus ossos e mede apenas 93 centímetros. Seu filho mede 76 centímetros, mas, como ela não consegue ficar em pé, Aidan, parece maior que ela. O marido de Amanda Moore, Steven Fyfe, tem 25 anos e mede 1,85 metros.

Para Moore, é apenas uma questão de tempo.

- Aidan está ficando tão grande. Ele puxou seu pai. Sempre soube que ele seria mais alto que eu, mas ele disparou a crescer. Quando me sento no chão para brincar, ele já é maior que eu e ele só tem 14 meses. Ele está ficando tão grande e forte que logo mais a gente vai ter que dizer a ele que seja cuidadoso com a mamãe.

O problema é que o bebê começou a andar. Enquanto ele só engatinhava, era mais fácil de controlar.

- Tem sido uma luta porque ele fica dando voltas em torno de mim desde que começou a engatinhar. Agora que ele está andando, cuidar dele fica mais difícil para alguém do meu tamanho. A maioria dos garotos fica maior que suas mães, mas não depois de um ano. De todo modo, ele sempre será o meu garotinho.

O problema que Moore tem é conhecido como doença dos ossos de vidro. Os médicos a haviam aconselhado a não ter filhos porque era difícil prever como seu corpo reagiria a uma gravidez. Só que, quando isso aconteceu - acidentalmente - ela desafiou a medicina e resolveu ter o filho.

- Os médicos me aconselharam a interromper a gravidez e nós chegamos a pensar a respeito. Eu não queria morrer e havia uma possibilidade real e provável de que o bebê que crescia dentro de mim pudesse me matar. Ao mesmo tempo, porém, eu criei um amor tão forte pela criança que nem tinha nascido que eu não poderia deixar passar. Nós dois queríamos muito o bebê.

Na 35ª semana de gravidez, ela começou a sofrer desmaior e foi levada para o hospital John Radcliffe. Aidan nasceu no dia 27 de fevereiro do ano passado e não herdou o problema da mãe.

Steven, que trabalha em uma empresa de táxi, diz que não descarta a hipótese de ter outro filho, mesmo com todos os riscos que uma nova gravidez implicaria.

- Foi uma luta, eu sei, mas Aindan está tão bem. Ele é um garotão e logo mais vai ficar maior que a mãe. Quando Amanda ficou grávida, os médicos disseram que ela poderia morrer ou o bebê poderia morrer - ou ambos. Porém, eles estão batalhyando e nós somos uma família de muita sorte. Não descartamos a ideia de ter outro filho. Aidan seria um belo irmão mais velho.

Fonte: R7