Mundo

16/04/2010 às 19h57

Vulcão provoca maior caos aéreo desde o 11 de Setembro

Redação Portal A8

A crise no tráfego aéreo causada pela erupção de um vulcão na Islândia e da consequente nuvem de cinzas que se elevou pelos céus de boa parte da Europa é a maior desde os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos, dizem especialistas.

Em entrevista à rede americana ABC, o chefe do departamento de tecnologia da aviação da Universidade Pardue, Brent Bowen, disse que a situação é a pior já vivida pela Europa e a mais grave desde os ataques contra os EUA.

- Esta é a mais significativa interrupção no tráfego aéreo desde o 11 de Setembro e certamente a mais grave a atingir a Europa em todos os tempos.

Nesta sexta-feira (16), 60% dos voos programados na Europa foram cancelados, segundo a Organização Europeia pela Segurança do Tráfego Aéreo (Eurocontrol). Dos 28 mil pousos e decolagens, apenas cerca de 11 mil devem acontecer.

Os espaços aéreos de Reino Unido, Alemanha, França, Suécia, Irlanda, Noruega, Bélgica, Dinamarca, Polônia e Holanda estão total ou parcialmente fechados. Quatro dos principais aeroportos do mundo - Heathrow (Londres), Charles de Gaulle (Paris), Schiphol (Amsterdã) e Frankfurt (Alemanha) - não estão operando.

No Brasil, ao menos sete vôos que tinham como destino ou procedência a Europa foram cancelados no aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo. No Rio de Janeiro, não houve cancelamentos até as 10h.

Centenas de milhares de pessoas foram impedidas de viajar desde esta quinta-feira (15), quando o caos teve início. Só no aeroporto de Heathrow, em Londres, 180 mil pessoas são afetadas a cada dia de fechamento.

Segundo especialistas, uma situação como essa não era vista desde os ataques contra o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, em Washington, em 2001. Na ocasião, todo o espaço aéreo dos EUA, o mais movimentado do mundo, foi fechado e todos os voos tiveram que pousar imediatamente, causando um efeito cascata de cancelamentos e atrasos em todo mundo. Milhões de passageiros ficaram sem voar nos dias seguintes.

Segundo a Eurocontrol, a previsão é que a nuvem de cinzas que se espalhou sobre a Europa, e que representa um grave perigo aos motores de aeronaves comerciais, ainda interrompa o tráfego por pelo menos mais 24 horas. As autoridades do Reino Unido já avisaram que o fechamento do espaço aéreo deve permanecer no mínimo até a madrugada deste sábado (17).

O geofísico da Universidade de Bristol, Matthew Watson, disse à rede de TV CNN que a retomada das operações normais só será possível quando o vulcão na geleira de Eyjafjallajokull parar de lançar cinzas a altitudes de até 11 km.

Fonte: R7