Mundo

10/03/2009 às 09h57

Vice-presidente diz que EUA podem negociar com talebans moderados no Afeganistão

Vice-presidente dos EUA, Joe Biden, participa de entrevista coletiva em Viena e diz que Guerra no Afeganistão não está perdida

Redação Portal A8

Vice-presidente dos EUA, Joe Biden, participa de entrevista coletiva em Viena e diz que Guerra no Afeganistão não está perdida (Folha Online)
O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta terça-feira que "vale a pena tentar negociar com os talebans moderados" para solucionar a "guerra ao terror" que já dura sete anos no Afeganistão.

A ala radical do Taleban, que conta com braços terroristas responsáveis por diversos atentados contra as forças dos EUA no país, controlava o Afeganistão até a chegada da coalizão internacional liderada pelos americanos, em 2001.

Em reunião com membros da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Biden afirmou que os EUA ainda não estão ganhando no Afeganistão, mas "a guerra está longe de estar perdida".

"Agora não estamos ganhando a guerra, mas a guerra está longe de estar perdida", disse o vice-presidente, em entrevista coletiva em Bruxelas.

Em sua primeira reunião com o Conselho da Otan, Biden disse ainda que os EUA querem escutar a opinião de seus aliados sobre a situação da guerra no Afeganistão e da insurgência terrorista no Paquistão para desenhar "uma estratégia comum frente aos talebans".

"É tão simples e direto como isso. Quando construímos juntos uma estratégia, funciona", disse. "Uma vez que tenhamos sucesso, os EUA esperam que cada um cumpra seus compromissos", completou.

O presidente dos EUA, Barack Obama, destacou em sua campanha que, caso assumisse a Casa Branca, investiria na Guerra do Afeganistão, onde estão "os verdadeiros terroristas". Em menos de dois meses no poder, Obama já anunciou que vai encerrar a Guerra do Iraque até 2011 e retirar a maior parte dos soldados. Ele anunciou ainda que enviará um reforço de 17 mil tropas ao país asiático.

Biden pediu ainda que os aliados europeus colaborem com os esforços americanos de intensificar o combate ao terrorismo no Afeganistão e que entendam que o país não adota uma posição egoísta frente a uma ameaça que, na realidade, afeta a todos.

"Sem coesão, será incrivelmente difícil fazer frente às ameaças", disse.

Fonte: Reuters