Brasil

10/10/2015 às 09h44

Operação Brasil Integrado prende 884 pessoas em dez estados e no DF

Agência Brasil

O Ministério da Justiça divulgou hoje (9) os números da sétima edição da Operação Brasil Integrado, nos dias 7 e 8 de outubro, que resultou na prisão de 884 adultos,  dos quais 86 por assassinato, além da apreensão de 130 armas de fogo e 854 munições.

A operação foi realizada nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e no Distrito Federal, com a realização de bloqueios da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e cumprimento de mandados de prisão.

A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, explicou que o foco foi a prisão de homicidas. “Temos mandados de prisão abertos no Brasil todo. E como temos alguns crimes que, por força de lei, admitem uma pena alternativa à prisão, priorizamos mandados de pessoas que cometeram mais de um homicídio e não teriam direito a uma pena alternativa”.

Apesar de ter foco em casos de homicídio, a operação foi considerada bem-sucedida também na prisão de pessoas por outros crimes, como furtos, posse de drogas ou armas. Foram efetuadas 712 prisões em flagrante por esses crimes. A polícia apreendeu ainda 103 menores por diversos atos infracionais, sendo cinco por homicídio.

“Não considero o número [de menores apreendidos por homicídio] alto ou baixo, é a realidade que se apresenta no momento. Não me satisfaço quando vejo esse número sobre os adolescentes, porque eles deveriam estar na escola e não na cadeia. Isso nos faz refletir que devemos ter o foco voltado à juventude para que ela não caia no crime”, disse a secretária.

Nos dez estados e no DF, foram feitos nesses dois dias 690 bloqueios e 1.728 patrulhamentos terrestres, com 5,6 mil agentes mobilizados. Foram abordados 27.247 pessoas e 15.584 veículos, com as polícias Militar, Civil, Rodoviária Federal e Técnica (perícia) trabalhando em conjunto.

“Isso não seria possível sem a iniciativa dos governos estaduais, polícias dos estados e municípios. Há que se comemorar essa metodologia de trabalho integrada. Temos como um hábito agora a integração entre as forças de segurança”, comemorou a secretária nacional de Segurança Pública.


Fonte: Agência Brasil