Brasil

15/04/2010 às 19h03

Ministro da Fazenda prorroga desconto do IPI para construção

Redação Portal A8

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quinta-feira (15) que o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para materiais de construção será mantido até 31 de dezembro. O imposto menor para o setor terminaria em junho deste ano.

Segundo Mantega, o objetivo é evitar pressão inflacionária sobre os produtos beneficiados pela redução do imposto. Ele explicou que os consumidores estão concentrando as compras para aproveitar o benefício, o que está provocando pressão sobre a oferta dos produtos - com alguma alta de preços.

- A construção civil é um negócio de médio prazo. As compras podem ser feitas ao longo de um tempo maior - disse o ministro.

Mantega não quis avaliar qual será o volume da renúncia fiscal com a medida, mas acha que não será muito maior do que se fosse mantida até junho, uma vez que as compras serão diluídas até o final do ano.

Mantega ressaltou que não é objetivo do governo conceder novamente redução de IPI para outros setores da economia.

Segundo o ministro, a medida terá impacto no crescimento da economia, já que o setor de construção tem um peso importante na formação bruta de capital fixo, ou seja, nos investimentos.

O ministro participou nesta quinta-feira (15) de almoço com o Sinaval (Sindicato Nacional da Indústria da Construção e da Reparação Naval), no Rio.

Depois de anunciar a redução do IPI para os veículos no final de 2008, o governo federal estendeu o benefício para a linha branca (geladeiras, fogões, tanquinhos e máquinas de lavar roupas), móveis e materiais de construção em 2009. O objetivo da medida era incentivar o consumo dos brasileiros e preservar os postos de trabalho na indústria após o início da crise financeira mundial.

A construção civil passou a contar com o benefício em 30 de março do ano passado, quando Mantega prorrogou o programa para o setor automobilístico e anunciou a isenção para a compra de revestimentos, vernizes, tintas, cimento, pias, louças de banheiro, rede e grade de aço, chuveiro, fechaduras e dobradiças, entre outros itens.

Outros produtos foram beneficiados com a redução do imposto, como massa de vidraceiro, cujo IPI foi de 10% para 2%. Na ocasião, o ministério da Fazenda anunciou também mudanças na tributação para a construção civil - que inclui impostos como IR (Imposto de Renda), CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social).

Fonte: R7