Brasil

28/09/2009 às 17h39

Entidades querem criar a “OAB” dos policiais

Policiais federais, rodoviários federais, civis e militares vão anunciar a criação da OPB

Redação Portal A8

Na próxima quarta-feira (30), policiais federais, rodoviários federais, civis e militares, de todo o Brasil, vão anunciar a criação da Ordem dos Policiais do Brasil (OPB), que pode ser análoga a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A votação para a presidência e diretoria do novo órgão ocorre, contudo, apenas no dia 30 de outubro. A idéia é que um milhão de policiais de todo o país sejam filiados à entidade.

O anúncio da OPB será feito em meio à greve geral da Polícia Federal, marcada em todo o Brasil também para esta quarta-feira (30/9). A greve é comandada pela Fenapef, a Federação Nacional dos Policiais Federais, uma entidade que congrega 13 mil policiais federais em todo o Brasil. A criação da OPB tem também amplo apoio da Confederação Nacional dos Policiais Civis.

A ideia da OPB foi do agente federal Francisco Carlos Garisto, consultor e fundador da Fenapef, cuja vida ora é filmada por Mauro Lima, que dirigiu o filme "Meu Nome não é Johnny". Garisto diz que o anúncio da Ordem dos Policiais do Brasil foi deliberadamente marcado para o dia da greve geral da PF.

Uma das maiores bandeiras da OPB será acabar ou reformular radicalmente o inquérito policial, porque apenas 10% deles resultam em punição efetiva e 90% resultam na mais pura impunidade. A idéia é que cada ano a OPB seja comandada por uma entidade de classe diferente.

A OPB também deverá criar um partido político, a ser chamado de Partido Nacional da Segurança Pública. A ordem lutará pela carreira única para todas as polícias, o teto salarial comum e a lista tríplice votada para os secretários de segurança pública de todo o Brasil.

Com informações do Conjur