Sergipe

26/12/2016 às 11h24

Plano de Contingência do Huse registra atendimentos dentro da normalidade

Ascom HUSE

Com a aplicação do Plano de Contingência da Saúde para as Operações de Final de Ano, elaborado para garantir o pleno funcionamento da Rede e o atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), a semana no Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) foi considerada dentro da normalidade.

No período entre os dias 19 e 25 de dezembro, foram registrados 2.885 atendimentos, sendo que 362 pessoas ficaram internadas para novos exames e/ou em observação. “Montamos uma estratégia para garantir atendimento a todos os usuários que chegassem ao Hospital. Graças ao trabalho preventivo e de organização, tudo ocorreu bem. Vamos continuar com a mesma tática para as festas de final de ano”, declarou o coordenador do Pronto Socorro do Huse, Vinícius Vilela.

O setor de trauma recebeu um número elevado de pacientes, no entanto, dentro da capacidade de atendimento. Já a Sala de Sutura e a Ortopedia receberam, juntas, 962 usuários, com 151 internamentos entre a Área Verde Trauma e o Centro Cirúrgico. Os consultórios do Otorrinolaringologista e do Oftalmologista somaram 67 atendimentos, mas nenhuma internação. No Hospital Pediátrico foram registrados 431 atendimentos 47 internamentos.

Os Ambulatórios de Oncologia, Radioterapia, Nutrição, Retorno e Fisioterapia também tiveram seus atendimentos dentro da normalidade, com 119 pacientes registrados durante a semana. Para o agricultor Gevaldo Silva, 48, do município de Cumbe, a consulta foi rápida e positiva. “É a segunda vez que venho para a consulta aqui no Ambulatório de Retorno e sempre é tudo certo e organizado. Já estou com a outra consulta marcada para próxima semana, onde farei a cirurgia”, explicou.

A Área Azul, destinada aos pacientes que têm o caso clínico considerado como baixa complexidade, teve grande movimentação durante a semana. Foram 1.276 usuários do SUS, sendo que 1.154 tinham perfil de atendimento para as unidades de Pronto Atendimento (UPA) do município e Unidades Básicas de Saúde – todas ainda com as atividades paralisadas ou com redução no número de profissionais.

A dona de casa Sílvia Regina Souza, 37, sentiu uma forte dor de cabeça e foi direto para o Huse. “Eu estava em casa e não me senti bem depois de varrer a casa. Vim direto para o Hospital de Urgências porque sabia que os municipais não estavam funcionando. Fiz uma tomografia, mas está tudo dentro da normalidade”, contou, aliviada.


Fonte: Ascom HUSE