Sergipe

01/09/2016 às 15h16

Alimentação materna incorreta pode interferir no desenvolvimento do bebê

Saude/SE

Durante a gestação, as necessidades nutricionais ganham especificidades. Comer de tudo, por desejo, ou “comer por dois”, são máximas que perdem o valor quando a gestante busca orientação de um nutricionista. A partir desse apoio profissional, ela passará a ter consciência de que essas práticas não são nutricionalmente corretas e que a quantidade e a qualidade daquilo que é ingerido são fatores importantes, tanto para a mãe quanto para o bom desenvolvimento intrauterino do feto.

“A alimentação para gestante se adapta às alterações fisiológicas deste período, visando atender às necessidades do binômio (mãe e feto). Porém, mantém-se os valores nutricionais ideais para uma alimentação saudável e equilibrada”, explica a Responsável Técnica pelo Serviço de Nutrição e Dietética da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), Dinar Barros.



A dieta materna balanceada, além dos benefícios já citados, é determinante para agregar valor nutricional ao leite humano. Para a elaboração dessa dieta são levados em consideração fatores como: faixa etária, avaliações antropométricas, exames bioquímicos, análises fisiológicas ou fisiopatológica do binômio (mãe e feto), vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos, lipídeos, fibras alimentares e água.

Recomendações

Além de buscar auxílio de um profissional nutricionista, as gestantes e mulheres que amamentam devem beber bastante líquido (água e sucos), priorizar o consumo de alimentos integrais e não ficar por intervalos muito longos sem se alimentar.

“Nesse período não deve ocorrer nenhum tipo de dieta para emagrecimento. A alimentação deve ser preferencialmente natural e variada. É importante evitar produtos industrializados, com excesso de açúcar, corantes e gordura”, enfatizou a nutricionista Dinar Barros.

Ela ressalta, ainda, que alimentos como chocolates, refrigerante, repolho e soja, podem ser causadores de cólicas nos bebês. Por isso devem ser evitados durante o período de amamentação.

“Vale destacar que o aleitamento materno deve ser exclusivo por pelo menos 6 meses e podendo ser ampliado até os 2 anos de idade”, enfatiza a nutricionista.

Maternidade

A Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL) conta com a atuação de 12 nutricionistas. Na unidade, as pacientes são assistidas pela equipe de Nutrição e Dietética a partir do internamento. Para promover esse apoio nutricional, os serviços acontecem de forma conjunta com a equipe multidisciplinar da unidade.

“As nutricionistas realizam visitas diárias. Em cada leito é aplicada a anamnese nutricional (investigação do hábito alimentar). O objetivo é respeitar a cultura, hábitos alimentares e religião de cada paciente”, explica Dinar Barros.

Também são realizados trabalhos voltados à educação nutricional. “A cada visita promovemos a conscientização quanto à necessidade de manter uma alimentação equilibrada, assim como buscamos enfatizar a importância do aleitamento materno” acrescenta a nutricionista.


Fonte: Saude/SE