Sergipe

25/07/2016 às 13h33

Aedes aegypti: sete municípios sergipanos apresentam alto índice de infestação

SES

O Núcleo de Endemias da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulga o resultado do Levantamento Rápido de Índices de Infestação para Aedes aegypti (LIRAa) do mês de julho em Sergipe. Sete municípios apresentam índices acima de 3,9, o que representa uma alta classificação de risco para ocorrência de epidemias e surtos: Aquidabã (5,9), Carira (8,2), Cedro de São João (6,4), Itabaiana (6,7), Nossa Senhora Aparecida (4,8), Porto da Folha (5,0) e Simão Dias (7,7).

“O LIRAa foi realizado em 53 municípios no período pré-agendado pela coordenação do Núcleo de Endemias. Aracaju teve um contratempo na participação do Levantamento em virtude da paralisação dos agentes de endemias municipais. A SES continua realizando ações junto aos municípios e com a população para que os índices e riscos diminuam. É fundamental que cada um fortaleça estratégias preventivas, estando atentos ao saneamento básico, fontes, praças, piscinas públicas, cemitérios, terrenos baldios, etc. Se tem água parada e limpa, as chances de proliferação do mosquito são enormes”, ressalta Sidney Sá, gerente do Núcleo de Endemias da SES.

De acordo com ela, “por Sergipe estar em um período de clima mais ameno, infelizmente os índices nos deixam preocupados. São municípios que precisam de uma atenção redobrada da gestão municipal e, principalmente, da população”.

Ainda segundo o LIRAa, 33 municípios foram considerados de médio risco: Areia Branca (1,4), Barra dos Coqueiros (1,1), Boquim (3,1), Campo do Brito (2,52), Capela (1,5), Carmópolis (2,7), Estância (1,6), Feira Nova (2,4), Frei Paulo (2,9), Itabaianinha (2,3), Itaporanga D’ajuda (1,2), Japaratuba (2,5), Lagarto (1,9), Laranjeiras (2,3), Maruim (2,4), Monte Alegre de Sergipe (3,4), Neópolis (2,2), Nossa Senhora da Glória (3,7), Nossa Senhora das Dores (2,8), Pedrinhas (3,6), Pinhão (2,2), Poço Verde (1,5), Propriá (1,5), Riachuelo (1,4), Ribeirópolis (1,1), Rosário do Catete (1,8), Santo Amaro das Brotas (1,4), São Cristóvão (2,9), São Domingos (3,7), Siriri (1,3), Tobias Barreto (1,3), Tomar do Geru (2,9). Aracaju encontra-se com índice 1,6 (até o dia 15 de julho).

Já 13 municípios apresentaram resultados abaixo de 1%, cuja classificação é de baixo risco: Araúa (0), Canindé do São Francisco (0,3), Cristinápolis (0,9), Indiaroba (0,9), Japoatã (0,9), Malhador (0,9), Moita Bonita (0), Nossa Senhora do Socorro (0,8), Pirambu (0,9), Poço Redondo (0,8), Salgado (0,4), Santana do São Francisco (0,6), Umbaúba (0,7).

“Desde o início do ano, agentes de endemias e coordenadores de vigilâncias epidemiológicas municipais vêm participando das capacitações oferecidas pela SES para ampliar no controle. A Brigada Itinerante, considerada a tropa de elite para eliminar o Aedes aegypti, está dando todo o suporte para eliminar o vetor transmissor da doença. 70% dos municípios sergipanos foram visitados pelos agentes no primeiro semestre de 2016. Alguns desses locais já receberam os brigadistas mais de uma vez porque houve necessidade de retorno. O maior problema enfrentado por um agente de endemias ainda é o imóvel fechado ou a recusa da visita, por parte do morador. Isso dificulta a checagem e confirmação da presença do mosquito no imóvel”, afirmou Sidney Sá.

“82% do foco do mosquito estão dentro das casas, em depósitos de água e até no lixo comum. Sergipe já vem fazendo sua parte capacitando os agentes de endemias dos municípios, distribuindo insumos, kits diagnósticos, com apoio do Ministério da Saúde. O cuidado para combater o surgimento de criadouros e a proliferação do Aedes aegypti deve ser permanente porque eles estão ralos, calhas, vasos de planta, copos descartáveis. É preciso que os municípios fiquem bem atentos aos indicadores”, destaca Conceição Mendonça, secretária de Estado da Saúde.

Ações

De janeiro ao início da segunda quinzena do mês de julho de 2016, Sergipe conta com 3.774 casos notificados para Dengue, com 1.280 confirmações; 4.927 casos notificados para Febre Chikungunya, com 3.076 confirmações; e 353 notificações para Zika Vírus, com 27 confirmações.

Na programação da Brigada Itinerante do mês de julho consta a visita dos agentes de endemias nos municípios de Muribeca, Barra dos Coqueiros, Laranjeiras, Malhador, Itabaiana, Riachuelo, Monte Alegre, Nossa Senhora das Dores, Cristinápolis, Pedra Mole, Malhada dos Bois e Capela. Alguns deles já tiveram as ações concluídas neste período.

Além disso, Sergipe foi contemplado com veículos doados pelo Ministério da Saúde para reforço nas ações. Dentre os critérios estão: maiores índices de infestação, número de casos confirmados e notificados das arboviroses, e população. Os municípios de Itabaiana e Itabaianinha estão dentro desses critérios.

“O município de Itabaiana, por exemplo, a situação é delicada porque apresenta índice muito alto. No primeiro LIRAa de 2016, o índice foi de 6,0. Já no segundo, o percentual estava 5,0. No último, 6,7. Esses veículos somarão às ações desenvolvidas para intensificar o controle e o combate ao mosquito”, afirma Sidney Sá.


Fonte: SES