Sergipe

30/06/2016 às 13h31

Polícia detalha operação que cumpriu mandados contra suspeitos de estupro coletivo

SSP/SE

Foto: SSP
Uma operação deflagrada pelo Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) na madrugada desta quinta-feira (30), no município de São Cristóvão, resultou na prisão de Flávio dos Anjos, mais conhecido como ‘Bila”, 19 anos, e na apreensão de cinco adolescentes, de 16 e 17 anos, acusados de envolvimento em um estupro coletivo contra uma criança de 11 anos. O crime ocorreu no último dia 13, também em São Cristóvão.

Na operação, intitulada “Olho de Hórus”, foram cumpridos cinco mandados de internação e um de prisão, além de outros nove mandados de busca e apreensão em residências de pessoas que teriam tido acesso a um suposto vídeo que contém imagens do estupro coletivo, crime que teria ocorrido dentro da residência de um dos adolescentes acusados.

Durante a ação, conduzida pelos delegados Ronaldo Marinho, Mariana Diniz e Luis Carlos Xavier, os jovens foram presos em suas respectivas residências no Loteamento Lauro Rocha, em São Cristóvão, e confessaram a participação no crime. Segundo a delegada Mariana Diniz, do DAGV, durante as investigações foi constatado que ‘Bila’, apesar de não ter participado diretamente do estupro, teria sido o articulador do crime, sendo o grande incentivador, além de também ter filmado toda ação delitiva. “’Bila’ está sendo investigado pela autoria do vídeo que teria sido transmitido para outros moradores do Loteamento Lauro Rocha, mesmo bairro onde o crime aconteceu, por meio das redes sociais”, explicou a delegada.

Segundo ela, outros quatro adolescentes teriam mantido relações sexuais com a criança. “Quando a vítima chegou à residência de um dos adolescentes, percebeu a movimentação estranha dos outros jovens que estavam no local. Diante disso, ela pediu para ir embora, mas acabou não sendo atendida. Nesse momento, ela foi detida e abusada pelos jovens”, salientou. Mariana Diniz ressalta a participação de outra adolescente, acusada de ter conduzido a vítima até o local do crime e de presenciar todo o ato sexual: “ela está sendo investigada por participação no crime. Segundo o que levantamos, ela teria atraído a criança até a residência do adolescente e presenciado toda a cena”. 

De acordo o delegado Ronaldo Marinho, não está descartada a  possibilidade de outras pessoas serem indiciadas neste caso específico, a partir de possível disseminação do vídeo: “as investigações continuam no sentido de identificar o envolvimento de outras pessoas no crime”. Cerca de 30 policiais estiveram presentes na operação, dentre agentes do DAGV, gabinete do Delegado Geral, Grupo Especial de Repressão e Busca (GERB) e Departamento de Narcóticos (Denarc).


Fonte: SSP/SE