Sergipe

21/05/2016 às 09h13

Morre aos 73 anos, o dramaturgo sergipano, Hunald de Alencar

Redação Portal A8

Faleceu na madrugada deste sábado (21), aos 73 aos, Hunald de Alencar, professor e dramaturgo sergipano. Ele morreu em casa, no apartamento em que morava no bairro Atalaia, em decorrência de um infarto.

Segundo familiares, ele estava na companhia de um amigo quando passou mal, por volta das 23h40. O SAMU foi acionado, mas Hunald não resistiu. O velório está sendo realizado, no Osaf, da rua Itaporanga e o sepultamento será no final da tarde, no cemitério Santa Izabel.  

Histórico

Hunald escreveu o texto o espetáculo "Billie Holliday", que estreou essa semana entre tantos outros nos anos 70 e 80, quando o teatro sergipano estava muito mais em evidência. O dramaturgo nasceu em Estância, no ano de 1942. Iniciou no teatro no Grupo TIM - Teatro Infantil do Colégio Modelo, onde atuou como ator na peça “A Bruxinha Que Era Boa”, de Maria Clara Machado. Depois fez parte do Tegebê, onde montou a peça Eles Não Usam Black-tie, de Gean Francesco Guarnieri, e Festim Diabólico.

Como diretor, dirigiu o espetáculo Corpus, com o Grupo Opinião, e a peça O Violão de Rua, com o CPC - Centro Popular de Cultura. Como autor, escreveu as peças Os Maguinus, Uma Vez, o Amor..., Quem Matou o Público... Corpus, A Escravidão dos Deuses e A Morte do Doutor Pontual. É formado em Direito e Letras, e ocupa a cadeira de número 10 da Academia Sergipana de Letras.

Homenagem

O espetáculo "Billie Holliday" está mantido neste sábado (21), no teatro Lourival Batista, às 20h, onde os atores e direção vão fazer uma homenagem ao dramaturgo.