Sergipe

11/02/2016 às 10h59

Traumas ocasionados por acidentes motociclísticos somaram 55 vítimas atendidas no HUSE

Ascom/SES

Durante os cinco dias de Carnaval, a Rede Hospitalar comprovou, mais uma vez, a sua resolutividade. No balanço de produção realizado desde a última sexta-feira, 5, até a quarta-feira de cinzas, 10, o Pronto Socorro do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) registrou 1.340 atendimentos a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Desse total, 217 ficaram internados e em observação para novos procedimentos.

Os traumas ocasionados por acidentes motociclísticos somaram 55 vítimas atendidas, com 22 internamentos. As vítimas dos acidentes automobilísticos entraram para as estatísticas em menor proporção. Foram 11 atendimentos registrados, sendo que desses, 2 vítimas ficaram internadas.

“Os atendimentos realizados no Pronto Socorro aconteceram dentro do nosso planejamento entre as equipes e a gestão. O Huse contou com todo o esquema montado para os atendimentos comuns nessa época do ano com equipes de plantão para garantir a assistência no Carnaval. Tudo funcionou perfeitamente”, destacou a superintendente do Huse, Lycia Diniz.

O destaque durante a folia carnavalesca foi para a violência urbana que, mais uma vez, ganha grandes proporções: foram atendidas 25 vítimas de arma de fogo, sendo que, 18 delas permanecem internadas. Já as vítimas de arma branca somaram 9, com 4 internações. 

De acordo com o diretor clínico do Huse, Marcos Kroger, “até a madrugada do sábado, foi um período tranquilo. A partir da noite de domingo, tivemos um incremento no número de baleados e também as vítimas do trânsito. Infelizmente, a maioria relacionada ao uso de álcool e outras drogas ilícitas. Do ponto de vista cirúrgico, tivemos um carnaval agitado. Já do ponto de vista clínico, tivemos a falta de apoio do município que lotou o nosso Pronto Socorro com casos de baixa complexidade (febres e viroses) além das intoxicações alimentares, desidratações e excesso do uso de álcool”.

Baixa complexidade

A Ortopedia e Sala de Sutura somaram 315 atendimentos. Desse total, 78 ficaram internados para realização de novos exames. Na Área Azul adulto, foram contabilizados 714 pacientes atendidos e desses, 68 precisaram ficar internados. Já o Pronto Socorro pediátrico e a Área Azul infantil receberam 244 pacientes. Desse total, de acordo com a classificação de risco, 41 ficaram internados.

Para o coordenador do Pronto Socorro, Vinícius Vilela, o apoio e monitoramento organizado pela Rede da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) e Complexo Regulatório de Sergipe foram fundamentais para a agilidade no atendimento e redirecionamento do paciente de acordo com o perfil de cada um, ajudando a não sobrecarregar o Huse.

“A Central de Regulação e a FHS deram um apoio fundamental para a organização do fluxo direcionado para a nossa porta no Huse. Eles ficaram responsáveis por todas as transferências dos pacientes e também o seu redirecionamento para os Hospitais Regionais. No Huse, apenas média e alta complexidade, como é o perfil”, concluiu.


Fonte: Ascom/SES