Sergipe

26/01/2016 às 15h59

Reunião é realizada para discutir ações contra a violência no transporte público

Redação Portal A8

Na manhã desta terça-feira (26) representantes de sindicatos, SMTT, Polícia Militar e Secretaria de Segurança Pública (SMTT) definiram novas ações de combate a violência dentro dos ônibus e nos terminais de integração de Aracaju.

De acordo com o coronel Luiz Azevedo, comandante do policiamento da capital, a reunião teve caráter multidisciplinar, pois nem só a PM tem responsabilidade nos fatos que estão acontecendo. “Todos tem responsabilidade solidaria sobre os fatos que estão acontecendo. A PM tem feito operações frequentes, nestes primeiros 15 dias fizemos 800 abordagens especificas a ônibus dentro da mancha criminal”, esclareceu o coronel que ressaltou a criação de uma nova ferramenta. “ A PM criou uma ferramenta que será fundamental para fazer um diagnóstico de onde estão ocorrendo esses crimes, uma ferramenta que nos dará dados diários, onde as empresas vão entrar na internet, fazer um relatório que foi criado pela PM e nesse relatório vão passar em tempo real onde o crime ocorreu, as características. Então onde eram dados mensais, hoje temos a possibilidade de fazer mais antecipados e muito mais focados do que está acontecendo em tempo real”.

A contribuição das empresas também foi destacada, através de equipamentos de filmagens de melhor qualidade, que vão auxiliar no cadastro dos autores dessas ações criminosas. A situação das abordagens dentro dos terminais também foi discutida. “É uma abordagem da Guarda Municipal, assim como o monitoramento dentro dos terminais, que ainda não tem”, afirmou o coronel.

Para o presidente do Sintra, Miguel Belarmino, para solucionar o problema é preciso do apoio do judiciário. “Também dependemos do poder judiciário nos ajudar, o comandante vai tentar trazer o presidente do judiciário para tentar ver a solução, pois hoje a PM prende e 48h depois o bandido está de volta. Precisamos da ajuda do judiciário para poder amenizar essa situação. As empresas vão analisar a implantação do monitoramento”, destacou Miguel. Outra reunião será realizada daqui um mês para ver o que ficou definido.

De 1 a 25 de janeiro as linhas de transporte público de Aracaju já sofreram mais de 160 assaltos, um número que assusta os usuários e também as autoridades.