Sergipe

28/12/2015 às 10h40

Aposentada espera mais de um ano para marcar exame em posto de saúde do conj. Jardim Esperança

Redação Portal A8

Portal A8SE
Usuários da unidade de saúda da família, Ministro Costa Cavalcante, no conjunto jardim Esperança, bairro Inácio Barbosa, estão insatisfeitos com o sistema de marcação de exames na unidade. Algumas pessoas estão esperando há mais de um ano para a realização de exames. Como é o caso da aposentada Maria de Fátima Santos. “A minha reclamação é que os médicos pedem os exames e quando é para marcar passamos anos, para conseguir fazer. Tem que brigar, ir para ouvidoria, aqui no posto só dizem que é o sistema com problema. Tenho que fazer endoscopia para um tratamento, pedido de urgência, e até agora nada, o pedido fez um ano no dia 27 de novembro. Tem gente que já morreu e agora que sai os resultados”, relatou.

O estudante Pedro Gonzaga também vive uma verdadeira peregrinação para conseguir marcar um exame para sogra. “Estou com três exames da minha sogra, que tenta há seis meses marcar ultrassom abdominal, consulta oftalmológica e uma colonoscopia. Vem eu e a filha dela pelo menos três vezes na semana para tentar, mas não consegue, e a desculpa é que a culpa é do sistema. Não tem a desculpa dessa demora, não conseguimos entender, sabemos que é um problema sério e ninguém resolve”, desabafou.

Outra queixa dos usuários é que enquanto os exames da unidade são demorados, no programa Pro Mulher os exames são realizados demora. “Queremos saber como pode isso, já que são os mesmos laboratórios. Por que no Pro Mulher funciona e quando são os exames da unidade, a resposta é que o sistema está com problema. Estão dando relevância maior ao Pro Mulher e a gente paga a conta”, reclamou o conselheiro local de saúde, Nicanor de Farias.

Portal A8SE

 A gerente do posto de saúde, Ana Virgínia, não quis falar muito sobre o problema, disse apenas que o problema maior é no sistema de marcação de exames, e que não é somente nesse posto, mas em todos os postos de Aracaju. É um problema do sistema do SUS. Outra questão levantada pela diretora é a alta demanda para poucos profissionais, existe um déficit em diversas especialidades e os profissionais são poucos que atendem na rede.

Nota

A Secretaria Municipal da Saúde, explicou que estão ocorrendo problemas de sistema, devido a telefonia móvel, mas a equipe de informática e telefonia da Secretaria tem procurado solução para o problema. Ainda enfrentamos problemas com a marcação de consultas especializadas e exames, pois ainda é alto o absenteísmo - no geral em torno de 30%. Sempre buscamos esclarecer à população sobre a importância de, se for faltar ao exame e/ou consulta, que cancele com antecedência para não aumentar a fila de espera. A falha no sistema também afetou a Ouvidoria da Saúde, que é aonde os usuários deve registrar suas queixas.

A assessoria ainda complementa que a orientação é conversar com a gerente e registrar os problemas através da ouvidoria, número 156. Em relação ao Programa Pro Mulher, a assessoria explicou que são exames preventivos e são demandas diferenciadas.