Sergipe

14/12/2015 às 08h27

Sindimed irá acionar a justiça contra PL que autoriza o parcelamento do 13º salário

Redação Portal A8

Os servidores do Estado estão descontentes com o Projeto de Lei, encaminhado pelo Governo do Estado a Assembleia Legislativa, que autoriza os servidores a retirada de empréstimos no Banco do Estado de Sergipe (Banese) e Banco do Brasil para antecipar o décimo terceiro.

Em resposta a medida, o vice-presidente do Sindicato dos Médicos (Sindimed), José dos Santos Menezes, rebateu afirmando que quem deve realizar o empréstimo ao banco é o governo do Estado e não os servidores. O vice-presidente ainda garantiu que irá acionar a justiça.

“Eu cheguei de viagem e tive uma surpresa quando cheguei e tomei conhecimento dessa informação. Isso é uma atitude absurda.  Se o governo quer quitar as dívidas e pagar os salários dos servidores ele é quem deve tomar um empréstimo no banco, e não os servidores. Nós iremos tomar todas as medidas necessárias e acionaremos a justiça. Nós estamos cansados, todo fim de ano nós temos surpresas desagradáveis, todo fim de ano essa malvadeza do governo”, afirma José dos Santos.

O vice-presidente também fez um apelo aos deputados para que o Projeto de Lei, encaminhado pelo Governo, não fosse aprovado. “Encontrei com Ana Lucia e ela me disse que esse projeto ainda não chegou na assembleia, mesmo assim, eu questionei perguntando se eles irão aceitar essa medida absurda.  Ainda disse que o governo deve procurar outra medida para quitar as dívidas que não fosse prejudicando os servidores”.

José Menezes ainda afirmou que os plantões de fim de ano serão prejudicados em decorrência do anuncio do projeto de lei. “As escalas médicas ficam difíceis de fazer nesse período de sim de ano. Existe falta de profissionais porque o governo não fez concurso. Não tem médicos suficientes para preencher os plantões e com isso nós temos que induzir os profissionais a fazer horas extras. Mas quem garante que haverá pagamento dessas horas extras? O servidor trabalha desconfiado, descontente porque nãos abe se vai receber. Corremos esse risco”, conclui.