Sergipe

11/12/2015 às 18h16

SMTT orienta a população sobre rotas alternativas para sair da cidade

Redação Portal A8

Na manhã desta sexta-feira (11), manifestantes bloquearam o acesso ao município de Aracaju pela BR-235. Em apoio à Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) está desviando o fluxo dos veículos que pretendem sair da cidade para a Avenida Euclides Figueiredo, Rodovia dos Náufragos e Rodovia João Bebe Água.

A manifestação teve início na manhã desta sexta-feira, após a Energisa desligar as instalações elétricas nos barracos da ocupação que fica no terreno do antigo frigorífico de Sergipe, às margens da rodovia BR 235, no acesso principal à Aracaju.

Em apoio ao trabalho de liberação da rodovia realizado pela PRF, 15 agentes de trânsito estão posicionados em vários pontos das avenidas Chanceler Oswaldo Aranha e Euclides Figueiredo para orientar os condutores.

Quem deseja sair da cidade e seguir pelo sentido norte é orientado pelo agentes a seguir pela avenida Euclides Figueiredo, e ter acesso à BR 101 pelo município de Nossa Senhora do Socorro, entrando pelo conjunto João Alves e depois acessando a rodovia das Indústrias. Já o condutor que precisa sair de Aracaju pelo sentido sul é orientado a seguir pelas avenidas Tancredo Neves, Marechal Rondon e rodovia João Bebe Água, no município de São Cristóvão. A outra opção é pela rodovia dos Náufragos através da ponte Joel Silveira com destino a Itaporanga D'Ajuda.

De acordo com o diretor de trânsito da SMTT, Coronel Carlos Cruz, o objetivo dessa operação conjunta entre SMTT e PRF é reduzir os transtornos causados à população que deseja sair de Aracaju. “Os manifestantes bloquearam o acesso principal da cidade. Cerca de 90% dos condutores que desejam sair de Aracaju utilizam a BR 235. Nós estamos trabalhando para reduzir os danos causados por esse bloqueio e garantir que a população consiga sair do município”, explica o coronel.

A população está sendo avisada do bloqueio e dos desvios no trânsito através dos painéis informativos já instalados em algumas avenidas, através da imprensa e pelas redes sociais