Sergipe

01/12/2015 às 15h18

Governador lança plano de combate a microcefalia em Sergipe

Redação Portal A8

Na manhã desta terça-feira,  1°, o governador Jackson Barreto reuniu secretários de saúde, profissionais e técnicos da área, em uma coletiva para anunciar o plano de combate à microcefalia, bem como o atendimento aos pacientes e pais. Na ocasião, o governador também decretou situação de emergência no estado, que até o último levantamento do Ministério da Saúde, havia registrado 74 casos de microcefalia em 32 municípios sergipanos. O maior número de notificações é em Aracaju.

Em seu pronunciamento o governador declarou que o Governo Federal assumiu o compromisso de colocar recurso à disposição através do Ministério do Planejamento. “Esses recursos estarão no estado e aí poderemos adquirir os equipamentos necessários para o compete a epidemia de microcefalia e vamos fazer de forma mais ampla em parceria com todos os municípios”, afirmou Jackson Barreto que destacou. “Vamos fazer o necessário de acordo com as condições financeiras que tivermos, a depender do volume de recursos vamos averiguar a forma melhor de aplicar”.

Quando questionado sobre o aumento no número de pessoal, o governador informou que não adianta só aumentar o número de agentes, mas aplicar os recursos de forma a atender os 75 municípios. “Ainda não temos ideia do valor que virá, pois, a reunião foi na última quarta e o governo federal se comprometeu a liberar”, afirmou o governador.

A partir de agora as programações de combate ao Zika vírus realizadas em Sergipe serão alinhadas com as diretrizes nacionais. “Ajustamos agora nossas condutas de acordo com o que está sendo feito nacionalmente, alinhando suas diretrizes no que está sendo feito no Brasil. Vamos acompanhar as mães que os bebês já nasceram com uma linha de cuidado especifica, linha de acompanhamento para gestantes que identificaram durante a gravidez para conduzir esse processo e na linha de combate mais efetiva ao agente causador, já que o Ministério da Saúde identificou que há a relação do Zika vírus, que é transmitido pelo Aedes com a microcefalia”, ressaltou o secretário do Estado de Saúde, José Sobral.

O secretário também revelou que foi declarado hoje o processo de combate efetivo ao mosquito transmissor. “Disponibilizando recursos instrumentos e insumos para atender e socializarmos com os municípios. Redirecionamos as ações para municípios com maior incidência e aqueles com diagnósticos, estamos capacitando gestores e coordenadores e vamos dar condição de trabalho mais eficiente, pois é ele o causador de toda essa anomalia”, disse José Sobral.

Durante a coletiva, o secretário destacou que no Nordeste, 82% das larvas e do mosquito estão nos reservatórios de água das residências. “As pessoas tem que ter consciência, tem que cobrir a caixa, verificar semanalmente, pois os criadouros estão dentro da nossa residência, o poder público vai atuar, mas sem a ajuda efetiva da população vamos ter dificuldade”.

 

Assistência Médica

A partir das notificações será criado um fluxo de envio de recursos e insumos. Segundo José Sobral, os bebês nascidos na Grande Aracaju vão utilizar a rede municipal de Aracaju que é gestor da região. Para os nascidos e mães de outras regiões, foi firmada uma parceria com o Hospital Universitário para dar os cuidados necessários para o acompanhamento dessa criança. “Elas terão especialistas de neurologia, fonoaudiologia, fisioterapia e exames de tomografia.

Ministério Público

O promotor de saúde do Ministério Público Estadual, Fábio Viegas, compareceu à coletiva e levou outras propostas para auxiliar no combate ao mosquito. O promotor destacou que na legislação municipal é possível o ingresso forçado nas residências, quando os proprietários não autorizam a entrada. “Queremos combater esse problema em parceria, mas caso não seja possível queremos mostrar que temos recursos legais para que as pessoas sejam alcançadas, inclusive em locais que muitas vezes não conseguiríamos em outra hora entrar. Também sugerimos que o governado solicitasse uma brigada ao exército brasileiro para se somar e a contratação emergencial de pessoas para novas equipes, para esse processo que é uma luta grande”.

O procurador também falou sobre a relevância desse programa anunciado pelo governo. “Esse programa foi um passo bem dado, mas queremos colaborar com o estado para mostrar que outras alternativas ainda podem ser dadas. Mas o passo maior é o engajamento da sociedade e hoje infelizmente somos da comunidade e percebemos que há muito lixo acumulado, depósitos irregulares e isso acarreta problemas grandes. Já foi feito muito, mas ainda há o que ser feito. Outro tripé é a parceria com a mídia, os meios de imprensa são fundamentais, sem esse espaço o trabalho é infrutível. Precisamos para conscientizar e mostrar as sanções se as pessoas não colaborarem”, finalizou Fábio Viegas.