Sergipe

30/11/2015 às 08h13

Grávida perde o bebê após ser atropelada por guarda municipal com sinais de embriaguez

Redação Portal A8

Três pessoas ficaram feridas, entre elas uma grávida de 9 meses que acabou perdendo o bebê, após serem atingidas por um guarda municipal que dirigia com sinais de embriaguez, no início da noite desse domingo (29), na avenida Carlos Marques, no bairro Soledade. As vítimas estavam em uma motocicleta. 

De acordo com informações, uma motociclista estava com o veículo estacionado na frente da casa de uma amiga, elas se preparavam para sair, quando um motorista perdeu o controle em uma curva e atingiu as vítimas. A condutora da moto, Thalia de 18 anos, o filho de quatro anos e a amiga de 14 anos que estava grávida de nove meses ficaram feridos. A motociclista terá que se submeter a uma cirurgia no braço. A garota de 14 anos está internada na UTI e o bebê que ela estava aguardando morreu.

O pai da motociclista, Gilson Lopes Oliveira, contou como foi o acidente. “O guarda municipal estava alcoolizado e sobrou numa curva, invadiu a contramão e atingiu as meninas. Elas duas estavam subindo na moto quando foram atropeladas. Minha filha teve escoriações pelo corpo quebrou o braço e a perna. O meu neto de 4 anos também foi atingido. A outra menina está na UTI e perdeu a criança. Ele estava com uma arma dizendo que era policial e estava agressivo”, disse.

Gilson ainda comentou que o guarda municipal queria fugir do local. “Ele queria correr do local sem prestar socorro. Mas o pessoal segurou ele até chegar a polícia”.

O guarda municipal envolvido no acidente foi identificado como Carlos André Santana. Ele foi abordado pela polícia e estava armado. O motorista aparentava sinais de embriaguez e foi encaminhado para a Delegacia Plantonista. A delegada afirmou que o guarda municipal pagou fiança referente a 20 salários mínimos e foi liberado.

O diretor geral da Guarda Municipal, coronel Enilson Aragão, informou que irá aguardar a apuração dos fatos através da corregedoria e se for constatado a imprudência do guarda municipal, possivelmente será instaurado um sansão disciplinar administrativa. Enilson também destacou que o guarda tem porte de arma autorizada, mas que o uso indevido pode acarretar consequências.