Sergipe

23/11/2015 às 08h28

Presidente da Associação de Militares fala sobre violência contra policiais em Sergipe

Redação Portal A8

O sargento e presidente da Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), Jorge Vieira, falou na manhã desta segunda-feira (23) sobre a situação dos policiais militares que estão sendo vítimas da violência no estado. Somente neste fim de semana, dois casos contra policiais foram registrados em Sergipe.

“A violência cresce assustadoramente. Meliantes não escolhem quem mata, simplesmente eles olham a vítima em local ou situação vulnerável e fazem o delito. E nós, operadores de segurança, que lideramos o sistema de segurança, estamos na ponta desse fogo cruzado. Bandido quando mata policial é idolatrado pelo mundo do crime. Por isso eu penso que é melhor ter mil bandidos mortos do que um policial, um pai de família morto, porque bandido é bandido, eles escolheram essa vida “, afirma Jorge.

O primeiro caso contra um policial, aconteceu na noite deste sábado (21). O cabo Narciso, foi abordado por assaltantes no Loteamento Marivan, da Barra dos Coqueiros. Homens armados anunciaram o assalto e depois atiraram contra o PM. O cabo foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Sergipe, mas foi transferido para outro hospital e passa bem.

O segundo registro aconteceu no município de São Cristóvão. Dois suspeitos em uma motocicleta tentaram assaltar um PM da Rádio Patrulha. No entanto, o policial reagiu e conseguiu matar um dos suspeitos identificado como Alexo Amoroso dos Santos, 18 anos. O outro assaltante conseguiu fugir e o PM não foi ferido.

Para que fatos como esses não aconteçam, o presidente da Amese diz que é preciso criar um plano de segurança eficaz e leis mais rígidas para combater a violência. “Infelizmente nosso sistema de segurança é equivocado, é inoperante. Temos que criar uma nova arquitetura de segurança pública. Precisamos nos estruturar melhor, precisamos de um sistema de treinamento mais preparado, precisamos de uma estrutura melhor nos presídios, e é preciso que o policial também seja bem remunerado porque nós somos muito cobrados pela sociedade e trabalhamos diariamente com o risco. É preciso também que a legislação melhore, no combate as drogas e a criminalidade”, diz.

Jorge Vieira também destaca que a impunidade e a reincidência no mundo do crime deve acabar. “Precisamos de leis mais severas, temos que defender a pena de morte e a prisão perpétua. Porque essas penas já existem, mas só existem para trabalhadores e pais de família. Alguém já viu bandido em prisão perpétua matar vítimas? Precisamos que os políticos discutam esse tema. A violência só cresce e o país não reage. A reincidência no mundo do crime é outro problema. São as mesmas pessoas cometendo os mesmos crimes. Bandido não pode ter conforto”, conclui.