Sergipe

17/11/2015 às 10h42

Adolescente de 15 anos será indiciada por morte de jovem durante festa no Mosqueiro

Morte de jovem de 16 anos aconteceu durante festa regada a álcool, drogas e sexo.

Redação Portal A8

O Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) elucidou na manhã desta terça-feira (17), um crime que teve como vítima a jovem Suzana Conceição Santos, 16 anos, que morreu após ser atingida com um disparo de arma de fogo durante uma festa. O caso aconteceu no dia 11 de novembro em uma casa localizada no Mosqueiro.

Inicialmente, existiram boatos de que a adolescente havia morrido após participar de uma brincadeira chamada “roleta russa”, mas, de acordo com o delegado do DHPP, Alessandro Vieira, a morte de Suzana foi ocasionada por homicídio. A responsável pelo crime é uma adolescente de 15 anos.

“Uma série de providências foram tomadas, analisamos o laudo preliminar do IML, ouvimos as meninas que participaram da festa e chegamos à conclusão de que o crime foi de homicídio. Uma adolescente de 15 anos foi a responsável pela morte de Suzana e será indiciada pelo ato infracional e homicídio. Ela disparou contra a vítima intencionalmente, ou no mínimo, assumiu o risco de matá-la de forma muito clara. Ela empunhou uma arma de fogo calibre 38 e foi alertada, inclusive, pela própria vítima para ter cuidado ao manusear o revolver. E mesmo assim, ela mirou na cabeça de Suzana e disparou”, afirma o delegado.

Segundo Alessandro, a morte da jovem aconteceu durante uma festa regada a relações sexuais mútuas, álcool e drogas. O delegado acredita que é possível ter acontecido algum desentendimento entre a vítima e a adolescente de 15 anos. “Inicialmente foi dito que era uma reunião de amigas, mas não era uma festa comum. Era uma casa que pertencia a mãe de uma das jovens e drogas foram trazidas por um adolescente e um adulto que estavam no local para serem consumidas. Era uma casa onde seis pessoas estavam bebendo, se drogando e tendo relações sexuais. A adolescente e a vítima não se conheciam até então. Naquele ambiente, pode ser que a adolescente tenha firmado algum tipo de desconforto com a vítima e ter gerado esse homicídio”, conta.

O delegado afirma que em depoimento, a adolescente disse que não teve intenção de matar a vítima e que não sabia que a arma estava munida. A jovem já respondeu um processo por uma tentativa de homicídio contra o padrasto. “A narrativa que ela faz não é compatível com um mero acidente. Além dela, mais uma jovem que estava no local também foi ouvida. E existe uma carga de subjetividade nessa análise. Não conseguimos precisar corretamente se ela teria matado intencionalmente, ou se ela simplesmente não tinha nenhuma preocupação com a possibilidade de a vítima morrer. Ela narra que efetuou o disparo, mas não imaginava que a arma estava sem munição. O que é duvidoso, já que essa arma havia sido carregada e descarregada várias vezes durante a festa. Essa garota de 15 anos também já responde por um outro processo de tentativa de homicídio contra o padrasto” diz Alessandro.

Seis pessoas participaram da festa. Além da vítima, duas adolescentes de 15 anos, entre elas a suspeita pelo crime, uma mulher de 20 anos, um homem adulto e um adolescente do sexo masculino estavam no local. Todos serão indiciados por envolvimento no crime.

Segundo o delegado, a adolescente de 15 anos será indiciada por ato infracional de homicídio. O homem será indiciado por tráfico de drogas, a mulher por corrupção de menores, a outra adolescente de 15 anos por falso testemunho e o adolescente do sexo masculino por tráfico de drogas e porte ilegal de arma.

Alessandro Vieira ainda destacou que o adolescente que era proprietário da arma já estava sendo investigado pelo DHPP por crimes de homicídios e tráfico de drogas e também será indiciado por esses crimes.

O caso foi investigado pelo Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) com o apoio do Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc).