Sergipe

16/11/2015 às 13h30

“Não tem mais parcelamento, todo salário será pago no dia 11", afirmou governador durante coletiva

Redação Portal A8

Nesta segunda-feira (16) o governador Jackson Barreto reassumiu o governo do estado e convocou uma coletiva de imprensa para falar sobre novos projetos e desafios da gestão. Afastado desde 14 de agosto, o governador se mostrou preocupado com o aumento da violência no estado e foi enfático ao falar sobre a folha de pagamentos dos servidores.

Salários

“Não tem mais parcelamento, todo salário será pago no dia 11, pois as pessoas ficavam contrariadas, agora é bom que cada um faça o seu planejamento com a nova data. Ao invés de ficarmos em dúvida e na angustia sobre o pagamento, então nós decidimos mudar a data”, destacou o governador.

Em relação ao décimo terceiro salário, que deverá ter a segunda parcela paga até o dia 20 de dezembro, o governador afirmou que está trabalhando para pagar dentro do próximo mês.

Obras

Quando questionado sobre a realização das obras, em um momento em que o estado não está conseguindo realizar o pagamento dos servidores em dia, o governador Jackson Barreto, explicou que as verbas destinadas para obras não são do tesouro do estado. “As obras que estão sendo feitas são recursos com investimento, do Banco Mundial, BNDS, Prodetur. Então esses recursos que estão dando condições para obras, como a entrada de Tobias Barreto, que é do Sergipe Cidade. Tem 177 milhões que o estado está investindo com recursos da Caixa para a construção de três mil casas, em diversos municípios.  São recursos do trabalho de Marcelo Déda e também do nosso trabalho, do esforço em conseguir recursos para o estado, mesmo em época de crise”.

Ataque contra sede do PMDB

Na última sexta-feira (13), durante uma manifestação contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB), acabou com um ataque à sede do partido. Sobre o ato, o governador que também é do PMDB, afirmou que é a favor de todo tipo de manifestação, mas condena a violência. “As manifestações devem acontecer, precisam acontecer, são democráticas, mas não para fazer agressões à sede de um partido.  Eu lamento esse fato e posso garantir que nenhum de nós, qualquer dia vamos ter que agredir a sede de outros partidos, pois respeitamos eles”, destacou o governador que ressaltou. “Não tenho nada a ver com o que se passa em Brasília, pois o partido sempre existiu com diversas correntes ideológicas, é um partido grande, pois tem ampla liberdade. Gostaria que os companheiros dos outros partidos continuassem com suas manifestações, mas sem agressões, sem ódio, pois o ódio leva ao que aconteceu na França e nós não queremos viver essa cultura do ódio, pois já sofremos com a ditadura e sabemos o que é viver na repressão”, concluiu.

Segurança pública

Quando o assunto é a Segurança Pública, o governador demonstrou estar preocupado com os números da violência e como uma das medidas ele assinou um decreto com a solicitação da Força Nacional. “Com esse decreto assinado hoje, estabelecemos zonas especiais para trabalhar, levando em conta o número de homicídios por região”, revelou Jackson Barreto.

Segundo o governador, a medida foi tomada, pois os índices cresceram de forma assustadora e a sociedade se sente insegura. “Fiz esse pedido ao Ministro da Justiça, pois em Alagoas os índices estão diminuindo com a presença da Força Nacional. Estamos com dificuldades financeiras, mas temos que fazer isso com urgência e assumir os custos dessa presença, pois só dessa forma podemos nessas regiões ter uma força paralela ao do estado para dar mais segurança a nossa população”.

Além do reforço da Força Nacional, Jackson Barreto anunciou novidades como a construção de um prédio único que irá abrigar delegacias em uma única unidade e a instalação da comunicação digital entre as polícias. “Estamos preocupados com a questão da segurança e todo mundo sabe dos investimentos na área da segurança e são muitos, vamos agora começar a construção do IML, em Socorro, que já tem licença e autorização. Essa obra vai ser muito importante. O estado não tem dinheiro, mas fizemos o concurso dos peritos, da Polícia Civil, e estamos nomeando. Vamos admitir mais pessoal da PM, de sorte são muitos investimentos da segurança pública”.

Arrecadação

O governador admitiu a crise vivida pelo estado, principalmente por causa dos cortes de Recursos Federais, que somam uma queda de 20 milhões em verbas destinadas para Sergipe. E na tentativa de aumentar a arrecadação o governador encaminhou para Assembleia um projeto que prevê o parcelamento de impostos. “Encaminhamos a proposta para o parcelamento do Refis e outros impostos, para ver se arrecadamos algo mais para ajudar nas responsabilidades do pagamento dos servidores no mês de dezembro. Então nós esperamos que com isso possamos ativar aos nosso comerciantes e empresários, que estão em débitos com o estado, pois consegue benefícios, dispensa multas e determinadas cobranças e queremos ver se estabelecemos com isso melhoria na receita”, ressaltou Jackson Barreto.

Reajuste salarial

Sobre as reivindicações dos servidores em relação aos aumentos salariais, o governador alegou estar difícil buscar recursos para isso. “Esse é um mento muito difícil, todos estão acompanhando a situação que estamos vivendo no país. Diversas categorias que tiveram projetos aprovados no ano passado, assumiram o compromisso com o governador que essas políticas seriam implantadas na medida que o estado tivesse condições de atender a lei de responsabilidade fiscal, então não tem como fazer cobranças agora, se nós não conseguimos chegar aos limites que a lei impõe ao governo”, concluiu.