Sergipe

13/11/2015 às 16h06

Secretaria da Saúde confirma 30 casos de microcefalia em Sergipe

Redação Portal A8

O Governo Federal decretou na última quarta-feira (11), estado de emergência em saúde pública, por conta do aumento dos casos de microcefalia em bebês em Pernambuco. Em Sergipe, a Secretaria Estadual de Saúde realizou na manhã de hoje (13) uma coletiva, onde a diretora operacional da Fundação Hospitalar de Saúde informou que no estado são 30 casos de microcefalia, que foram comunicados ao Ministério da Saúde.

Todos os casos registrados, foram de bebês nascidos na maternidade Nossa Senhora de Lourdes, sendo que um deles nasceu na manhã de hoje. Segundo o diretor da maternidade, Luiz Eduardo Prado, a média de registro de bebês com microcefalia era de 1 a 2 casos, mas nos últimos dois meses o número subiu para dez mensais.

Os locais de origem dos casos da maternidade de alto risco foram: 6 de Aracaju, 6 de Nossa Senhora do Socorro, 3 Itabaianinha, 1 de Laranjeiras, 1 de São Domingos, 1 Japaratuba, 1 Itabaiana, 1 de Canindé, 1 Riachão do Dantas, 1 Poço Verde, 1 Salgado, 1 Glória, 1 Nossa Senhora das Dores, 1 São Cristóvão e 1 do município baiano de Heliópolis. Os casos citados somam 27, a Secretaria ainda não informou a origem dos outros três.

De acordo com Giselda Melo, diretora da Vigilância Epidemiológia do Estado agora os hospitais são obrigados a notificarem casos de microcefalia. Com a decretação de estado de emergência foi instituído um protocolo em relação aos casos de recém-nascidos com a doença.
As notificações de emergência são realizadas através de um centro de notificações de emergência 24horas, onde vão se concentrar as notificações imediatas de todos os casos.

Apesar de não haver comprovação científica, os especialistas admitem que os casos de microcefalia podem estar relacionados com a Chicungunya e Zika virua. O geneticista que estava na coletiva informa que em Sergipe, a maior parte das mulheres que tiveram bebês com microcefalia, até o terceiro mês, passaram por um processo de infecção viral.

A diretora operacional da fundação Hospitalar de Saúde (FHS), Márcia Guimarães, assegura que diante dos números preocupantes, o estado vai agir em situação de emergência na prevenção.

Orientações às gestantes sobre os casos de microcefalia


Sobre os casos de microcefalia na região Nordeste, o Ministério da Saúde orienta às gestantes:

1 -Devem ter a sua gestação acompanhada em consultas pré-natal, realizando todos os exames recomendados pelo seu médico;

2 - Não devem consumir bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de drogas;

3 - Não utilizar medicamentos sem a orientação médica;

4 - Evitar contato com pessoas com febre, exantemas ou infecções;

5 - Adoção de medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doenças, com a eliminação de criadouros (retirar recipentes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água);

6 - Proteger-se de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes indicados para gestantes;

Até que se esclarecem as causas do aumento da incidência dos casos de microcefalia na região Nordeste, as mulheres que planejam engravidar devem conversar com a equipe de saúde de sua confiança. Nessa consulta, devem avaliar as informações e riscos de sua gravidez para tomar a sua decisão.

Não há uma recomendação do Ministério da Saúde para evitar a gravidez. As informações estão sendo divulgadas conforme o andamento das investigações. A decisão de uma gestação é individual de cada mulher e sua família.

O Ministério da Saúde, em completa parceria com as secretarias estaduais e municipais de saúde, continuará recebendo as ocorrências, dando apoio técnico e mantendo ativo o COES (Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública), para o estudo, a investigação e a definição do agente causador do aumento da ocorrência de microcefalia.

O boletim epidemiológico sobre os casos de microcefalia no país será divulgado na próxima terça-feira (17), com coletiva de imprensa.