Sergipe

13/11/2015 às 10h26

Família de paciente reclama de demora e de ausência de salas para realizar cirurgia no HUSE

Redação Portal A8

Inconformado com o atendimento do setor cirúrgico do Hospital de Urgências de Sergipe (HUSE), o representante César Ribeiro reclama da falta de salas para realizar a cirurgia da esposa que sofre de apendicite.


César conta que a esposa foi atendida com fortes dores na unidade de saúde Nestor Piva na quarta-feira (11) e que foi diagnosticada com apendicite. A paciente foi encaminhada para o HUSE para realizar uma cirurgia e está sofrendo com a demora para o início do procedimento. “Desde que ela entrou lá no HUSE que vem tomando medicamento por cima de medicamento. A dor vai, passa, volta de novo e ela continua lá aguardando. E a gente que não pode fazer nada, tem que esperar, fazer o que?”, afirma.


César reclama de demora para realizar cirurgia/ Foto: Portal A8SE
De acordo com César, funcionários do hospital informaram que faltam salas para realizar a cirurgia. “Eu ainda conversando com alguns funcionários e eles me disseram que tinha equipe médica no hospital, mas que faltam salas para realizar as cirurgias. Até vestimenta adequada para fazer a cirurgia faltou, mas eles conseguiram a roupa, e agora está faltando conseguirem as salas”.


O representante diz que existem mais pessoas na mesma situação que a esposa. Segundo ele, sete pessoas aguardam na fila para realizar a cirurgia de apendicite. A mulher dele é a terceira na fila. “Tem paciente lá que já espera por essa cirurgia há mais de uma semana. E a gente sabe que apendicite é uma coisa grave, capaz de uma pessoa aqui perder a vida. O hospital tem que se organizar mais para poder atender o povo, não pode ficar desse jeito”, conclui César.


De acordo com a assessoria do HUSE, as cirurgias de apendicite não são consideradas procedimentos urgentes, a não ser que seja identificado um possível estrangulamento do apêndice que pode ser verificado através de ultrasonografia. A assessoria também informou que a ausência de salas pode ocorrer devido à alta demanda de casos no setor cirúrgico nos últimos dias. Ainda segundo a assessoria, as cirurgias são realizadas de acordo com a ordem da fila ou do nível da urgência de cada caso.