Sergipe

05/11/2015 às 16h44

Prefeito de Canindé garante que contratos entre prefeitura e ISES estão dentro da lei

Redação Portal A8

Depois da operação da Polícia Federal, denominada “Acesso Negado”, realizada no início da manhã desta quinta-feira (05), no município de Canindé de São Francisco, com o objetivo de combater desvios e fraudes em termos de parcerias firmadas entre o município e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP - Instituto Sócio Educacional Solidariedade -ISES.

O prefeito do município de Canindé de São Francisco, Heleno Silva, afirmou que a empresa entrou através de um processo de licitação e que a prefeitura agiu dentro da lei. “Houve um edital de licitação para que programas fossem executados, programas para áreas da saúde, na educação e na ação social, eles entraram na cidade através do processo licitatório, tudo na maior lisura, estive hoje mesmo com minha equipe técnica, eles prestaram o serviço e nós fizemos o pagamento dentro da normalidade”.

Sobre a investigação, o prefeito afirmou a pedido do Ministério Público Estadual o contrato foi interrompido. “O Ministério Público chegou e nos chamou então, nós, em acordo, decidimos interromper o contrato em dezembro de 2014. Então dá parte do município não há nenhuma irregularidade, estamos tranquilos porque pagamos pelos serviços executados, o município está isento disso, a CGU, há quinze dias atrás, nos pediu a documentação nos apresentamos a ele e apresentamos e estamos abertos para os sistemas de controle do governo”.

 

Operação

Segundo a Polícia Federal, há indícios de superfaturamento e utilização de 'Laranjas'. O prejuízo erário pode passar dos 6 milhões de reais. Entre os alvos dos mandados estavam empresários e advogados. Foram expedidos pela 6ª Vara Federal de Sergipe, 11 mandados de prisão temporária e 17 busca e apreensão.