Sergipe

23/10/2015 às 11h28

Homem é preso acusado de estuprar e matar mulher no Jardim Centenário

Redação Portal A8

Portal A8SE
A polícia apresentou na manhã desta sexta-feira (23) Genisson da Silva, o Geninho, 36 anos, acusado de estuprar e matar uma mulher no último sábado (17), no conjunto Jardim Centenário. A vítima foi Silvania Marcelino da Silva, assassinada com vários golpes de faca, dentro de sua residência.

De acordo com o delegado Marcelo Vieira, a prisão do acusado foi possível através de denúncia de populares e da divisão de inteligência do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). “Nós fizemos o cerco na Piabeta, onde ele estava escondido na casa de um primo, ele conseguiu fugir entrando em uma área de mangue, mas capturamos”, destacou o delegado.

Ainda segundo a polícia, Genisson estava drogado quando cometeu o crime. “Ele alegou ter consumido drogas e reconhece o crime, só que ele tenta dizer que a intenção dele era roubar. O que é uma pratica comum entre os estupradores, tentar atribuir a um crime que ele acha mais tolerável, pois quando da entrada no sistema prisional o pessoal não perdoa. Mas não tem nada de roubo, nenhuma pratica vinculada a roubo, o objetivo dele era estuprar afirmou o delegado.

A vítima reagiu à agressão e os vizinhos foram alertados, o próprio marido estava retornando e chegou a visualizar o momento da fuga. Durante o crime a faca que Genisson utilizou chegar a quebrar e ele pegou uma segunda para continuar esfaqueando Silvania.

Durante a apresentação, Genisson confessou ter matado a mulher, mas informou que queria pegar o dinheiro. “Eu queria era o dinheiro, aí que cheguei e segurei ela. Ela não quis dar o dinheiro, teve briga, eu peguei a faca e fiz a besteira. Não sei quantas facadas foram. Matei e corri. Estou muito arrependido, mas não tem como fazer mais nada. Foi muita droga, muita cocaína”, confessou o acusado.

Genisson era colega de trabalho do marido da vítima e no dia anterior, haviam bebido e consumido drogas juntos. A vítima deixa filha de 3 meses que estava na casa durante o crime. Somente a perícia poderá comprovar se o estupro se consumou.