Sergipe

20/10/2015 às 10h51

OAB diz ter ilegalidades no movimento dos bancários e entra com ação civil pública

Redação Portal A8

A presidente do Sindicato dos Bancários de Sergipe, Ivânia Pereira diz que foi surpreendida com a publicação no site da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Sergipe (OAB/SE). Na matéria, “a OAB classificou como prejudicial aos interesses dos advogados a paralisação do quadro de servidores das agências bancárias e decidiu promover Ação Civil Pública, com pedido de liminar, buscando obter o provimento jurisdicional, a fim de determinar o cumprimento dos mandados judiciais de pagamento e à liberação dos valores depositados em contas judiciais, por meio de alvarás judiciais”.

Segundo a presidente do sindicato dos bancários, a matéria diz que os serviços bancários são essenciais, mas segundo ela não são. “Ela garante que todas as exigências de lei da greve foram atendidas, não existe nada de ilegal dentro do movimento”, reforça Ivânia Pereira.

Essa decisão da OAB foi tomada durante uma reunião com representantes dos bancos e, segundo ela não convidou o sindicato. “Até certo ponto eu compreendo, por ele ser representante legal dos banqueiros, mas não se pode ignorar a representação dos trabalhadores, a instituição OAB jamais poderia ter essa atitude”, explica Ivânia.  Segundo ela a OAB ignorou a legitimidade do sindicato nessa relação da negociação.

Já o presidente da OAB/SE, Carlos Augusto Monteiro diz que a reunião foi uma tentativa de resolução de questões com membros da diretoria, e que, como uma tentativa de resolução da questão de forma amistosa e não seria necessário o poder decisório do sindicato.

Segundo o presidente da OAB, há uma resistência dos bancos para fazer o pagamento dos alvarás judiciais, por isso optou por ajuizar uma ação civil pública, para que durante a greve dentro do percentual de 30% seja inserido o pagamento das ordens judiciais. A partir de agora a OAB aguarda a decisão judicial.