Sergipe

19/03/2014 às 18h06

Sergipe tem o 2º melhor desempenho do Nordeste na geração de empregos

Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram 1.365 novas admissões no estado, o que significou um crescimento de 0,46%, no mês de fevereiro

Redação Portal A8

O Brasil registrou um crescimento geral do nível de emprego bastante satisfatório em fevereiro último, com a criação de 260.823 novos postos de trabalho e uma variação do estoque de 0,64%. Seguindo esse mesmo ritmo, Sergipe alcançou o segundo melhor desempenho do Nordeste no mês analisado. Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram 1.365 novas admissões no estado, o que significou um crescimento de 0,46%.

 

Conforme análise do economista Magaiver Correia, do Departamento Técnico da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), dentre os setores destaca-se o de Serviços, com 679 admissões, puxado pelo subsetor de ensino que contratou 342 novos profissionais e registrou uma variação de estoque de 2,39%. “Outros subsetores que contrataram expressivamente foram os de serviços de alojamento, alimentação, reparação, manutenção, redação e de comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviços técnicos”, destacou.

 

De acordo com ele, a indústria de transformação também obteve resultados importantes no emprego, com 315 contratações, o que representou uma variação de 0,66%. “Os segmentos que impulsionaram o bom desempenho foram a indústria de calçados (133 admissões; variação de 2,39%) e a indústria de produtos de minerais não-metálicos (94 admissões; variação de 1,51%)”, disse Magaiver ao observar que ambos os segmentos vinham apresentando baixos níveis de criação de emprego. 

 

Outro ramo industrial em destaque foi a fabricação de material elétrico e de comunicações, que registrou a maior variação de estoque do emprego no estado: 8,63%. “Esse segmento foi ampliado recentemente com a chegada da Yazaki, fabricante de chicotes elétricos para a indústria automotiva”, atestou ao ressaltar que no campo das demissões, o maior saldo negativo ficou por conta da indústria química, de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria, com menos 60 empregos nesse período.

 

Para Magaiver, a retomada das contratações na indústria cerâmica vincula-se ao crescimento na Construção Civil, que representa o terceiro setor em geração de empregos, com 303 novos empregados e uma variação de 0,93%. “O Comércio também registrou saldo positivo, com 164 novos empregos (variação 0,26%), concentrados essencialmente no segmento varejista (125 admissões)”, explicou ao divulgar que os demais setores de serviços industriais, de utilidade pública, agropecuária, administração pública e extrativismo mineral registraram os seguintes saldos negativos respectivamente: 46, 34, 13 e três demissões. “Já em termos municipais, o emprego gerado em fevereiro esteve concentrado na capital e sua região metropolitana, o que equivale a 88% do total

registrado”, concluiu.

 

De acordo com o secretário da Sedetec, Saumíneo Nascimento, esta evolução dos empregos em Sergipe possui correlação direta com o desenvolvimento econômico do setor empresarial sergipano (indústrias, setor de comércio, setor de serviços e turismo, etc.). “Grande parte destes setores são incentivados pelo Governo do Estado, na perspectiva de geração de emprego e renda para a sociedade. Esta, inclusive, uma das maiores preocupações do governador Jackson Barreto, inserir mais empreendimentos que possibilitem oportunidades de emprego para a população”, informa Saumíneo, acrescentando que a sinalização do governador Jackson Barreto, no momento de negociação para atração de novos investimentos para o estado, sempre é sobre a possibilidade de criação de novos empregos.