Brasil

03/05/2016 às 07h30

Ministério da Saúde assegura vacina contra gripe para todo o público-alvo

Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde informa que não há falta de vacina para proteção do público prioritário na Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza deste ano. No primeiro dia da campanha, que começou no último sábado (30), os estados brasileiros já haviam recebido 71% do total das doses que vão ser utilizadas no decorrer de toda a campanha, que vai até o dia 20 de maio. 

Em Sergipe o público-alvo é de 454.675 pessoas e até o dia 29 de abril, foram enviadas 468.220 doses. Foram adquiridas cerca de 54 milhões de doses da vacina para imunizar as 49,8 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo da campanha. O excedente, que neste ano é de mais de 4 milhões de doses, é chamado de reserva técnica e faz parte da estratégia de vacinação.

Vale ressaltar que todos os anos o Ministério da Saúde recebe a vacina em etapas do laboratório produtor e, à medida que chegam, são distribuídas, imediatamente, aos estados. É de responsabilidade dos estados o envio aos municípios. Até o próximo dia 13 de maio 100% das doses da vacina serão entregues aos estados brasileiros. 

O público-alvo da Campanha é composto pelos segmentos da população considerados de risco para complicações por gripe: pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas - e os funcionários do sistema prisional. As pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, também devem se vacinar.

É importante reforçar que a alta procura pela vacinação é de extrema importância para a proteção de toda a população considerada de risco para complicações por gripe. A expectativa é que, neste ano, não haja necessidade de prorrogação da campanha, diferente do que ocorreu no ano passado, quando a campanha precisou ser prorrogada até setembro.


Fonte: Ministério da Saúde