Brasil

05/02/2016 às 14h58

Mais de 56% dos imóveis sergipanos já foram visitados para combate ao Aedes

Ministério da Saúde

Mais de 30% dos imóveis brasileiros já foram visitados pelos agentes de saúde e militares das Forças Armadas para o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e Zika. Ao todo, 20,7 milhões, dos 67 milhões de imóveis estimados, receberam equipes para identificação de focos e orientação aos moradores sobre medidas de prevenção ao vetor, conforme balanço da Sala Nacional de Coordenação e Controle (SNCC) de Enfrentamento à Microcefalia.

Em Sergipe, dos 75 municípios, 70 já foram visitados. No total de 611.386 imóveis, 344.429 já receberam visitas de equipes para o combate ao Aedes aegypti, o que corresponde a 56,34% dos imóveis.

O número divulgado nesta sexta-feira (5) é quase o dobro do divulgado no levantamento da última semana, quando foram vistoriados 10,9 milhões de domicílios. O total de imóveis a serem inspecionados foi ampliado para tornar ainda maior a cobertura de combate aos focos do mosquito, passando da meta inicial de 49 milhões de domicílios para os 67 milhões de edificações. Essa diferença inclui visitas a prédios públicos, comerciais e industriais.

“O crescimento contínuo do número de imóveis vistoriados é resultado direto do comprometimento das equipes de combate ao Aedes, na identificação de focos e conscientização da população para as medidas de prevenção. Nesta ação, estados e municípios têm papel fundamental, especialmente agora, com uma meta maior de visitas a imóveis. Todos esses esforços estão sendo comprovados pelos registros das salas estaduais enviados à Sala Nacional, que sistematiza e controla a mobilização para eliminação do vetor”, argumenta o coordenador da Sala, do Ministério da Saúde, Marcus Quito.

Ao todo, 3.984 municípios, dos 5.570 definidos para serem vistoriados pelas equipes de combate, computaram as ações até 4 de fevereiro. Esse número é 25% superior ao verificado na semana anterior (3.183 cidades). Todos os estados e o Distrito Federal já registram as visitas realizadas no Sistema Informatizado de Monitoramento da Presidência da República (SIM-PR).

Atualmente, o Piauí é o estado com maior percentual de imóveis vistoriados, com 74,6%, seguido da Paraíba (71,7%) e Minas Gerais (67,6%). Em números absolutos, Minas Gerais é a unidade federativa que mais realizou visitas, somando 4,8 milhões. São Paulo totalizou 3,8 milhões, e o Rio de Janeiro, 2,5 milhões.

INFESTAÇÃO 

Durante as visitas, foram identificados 772,9 mil imóveis com focos do mosquito, o que representa 3,89% do total de visitados. A meta é reduzir esse índice de infestação para menos de 1% de imóveis com foco. A Sala Nacional contabilizou a recusa de acesso a 69.214 imóveis, além de 4,7 milhões de domicílios fechados.

Vale lembrar que, desde o dia 1º, o Governo Federal autoriza a entrada forçada de agentes públicos de combate ao Aedes em imóveis públicos ou particulares que estejam abandonados, ou em locais com potencial existência de focos, no caso de ausência de pessoa que possa permitir o acesso ao local. Para ficar comprovada a ausência de quem autorize a vistoria, é necessário que o agente realize duas notificações prévias, em dias e horários alternados e marcados, num intervalo de dez dias.

A melhor forma de combater o Aedes aegypti é não deixar o mosquito nascer. Por isso, o governo federal convocou um esforço nacional para que todas as casas do país sejam visitadas para eliminação dos criadouros. As visitas domiciliares são essenciais para o combate ao vetor. No contato constante com a população, os agentes de saúde desenvolvem ações com os moradores, relativas aos cuidados permanentes para evitar depósitos de água nas residências.

Desde dezembro, mais de 300 mil agentes de combate às endemias, agentes comunitários de saúde e militares reforçam o combate ao Aedes aegypti nas residências. Além disso, no dia 13 essa mobilização será reforçada por 220 mil militares das forças armadas. No dia 15, ainda, 50 mil militares acompanharão as ações de eliminação dos focos do mosquito.


Fonte: Ministério da Saúde