Brasil

27/01/2016 às 07h05

Zika se espalha por 20 países e deixa o mundo em alerta

Agência Brasil

A proliferação do zika vírus pelo mundo já é uma realidade que tem deixado em estado de alerta as principais autoridades sanitárias do planteta, como a OMS (Organização Mundial de Saúde) e a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde). O assunto tem sido manchete nos principais jornais do mundo. 

Com base no Brasil, a doença está se espalhando para outras regiões tropicais e sub-tropicais propícias para o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti, vetor da zika, da chikungunya e da dengue. Nestes países, a maior parte da população não tem imunidade ao vírus, o que contribui ainda mais para a epidemia. 

A tendência, segundo especialistas, é que tal epidemia continue se alastrando e se torne endêmica (recorrente em períodos do ano) em alguns países como o Brasil e da América Latina.

A maior preocupação em relação ao zika é o fato de a doença estar relacionada à má-formação de bebês, que podem nascer com microcefalia por causa do contato do vírus com o feto. 

Não se sabe a exata atuação do zika no corpo humano e em que momento ocorre a infecção do feto, mas, tanto o governos, como o brasileiro, quanto a OMS confirmaram a relação entre a microcefalia e o zika.

A Opas, representante da OMS para a América Latina, até fez a recomendação para que as gestantes sejam "especialmente cuidadosas" antes de viagens para regiões afetadas pelo vírus e consultem um médico para receber as devidas orientações.

No Brasil são pelo menos 3.893 os casos de bebês que nasceram com a má-formação, segundo o Ministério da Saúde. O zika já é encontrado em 21 países da América Latina. E já está se multiplicando pela costa leste e região central dos Estados Unidos. 

Os únicos países dessas regiões que estão imunes ao vírus são o Chile e o Canadá, onde não há a presença de Aedes, por causa do inverno prolongado e das baixas temperaturas.

Falta de informação

As mazelas da doença têm obrigado as autoridades a darem declarações incomuns, o que as torna muitas vezes alvos de críticas. 

É o caso, por exemplo, do ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Castro, que teve de se desculpar por ter afirmado que torcia para as mulheres pegarem zika antes da gravidez.

A preocupação maior ocorre nos países subdesenvolvidos, em que as mulheres não contam com um acesso adequado a métodos contraceptivos ou a cirurgias emergenciais de aborto e, ainda, são vítimas da falta de informação e da violência dos estupros.

Governos de países como Colômbia e El Salvador, já recomendaram oficialmente para que as mulheres adiem a gravidez. El Salvador foi ainda mais rígido, solicitando que o adiamento se prolongasse pelo menos até 2018.

 

Em Nova York, três pessoas, que viajaram há pouco para fora dos Estados Unidos, foram diagnosticadas com o vírus zika. 

Na Europa, o Reino Unido já diagnosticou três casos. Na Espanha, duas mulheres de origem sul-americana contraíram o vírus, segundo autoridades da Catalunha. Portugal também já registrou a presença da doença. 

Em Israel, uma menina de dois anos foi diagnosticada com o zika vírus, após retornar de uma viagem à Colômbia, segundo o Ministério da Saúde israelense.

Passageiros do Brasil

Em trabalho divulgado pela conceituada revista britânica The Lancet, voltada à área médica, os autores apontam que algo em torno de 9,9 milhões de passageiros, em cerca de um ano, deixaram o Brasil. Segundo o estudo, há até 1,3 milhão de pessoas que foram contaminadas pelo zika no País.

Do total dos viajantes, 65% foram para outros países da América, 27% para a Europa, e 5% para a Ásia - 3% não foram informados. A maior probabilidade de disseminação do vírus está em países em que o clima permanece quente durante boa parte do ano, como Itália, Estados Unidos e Argentina.

O zika vírus foi descoberto a partir de uma experiência e um macado rhesus, em 1947, na Floresta de Zika, Uganda, durante pesquisa sobre epidemia de febre amarela. Só foi isolado em seres humanos no ano de 1968, na Nigéria.

Até 2007, eram raras as ocorrências fora da África e do sudeste asiático, onde, a partir daquele ano, ocorreram epidemias na Ilha Yap (Micronésia), na ilha de Páscoa, nas Ilhas Cook , na Nova Caledônia e na região da Polinésia.

O vírus já foi isolado no esperma, mas faltam ainda confirmações para determinar se a transmissão sexual também caracteriza a doença.


Fonte: Agência Brasil