Blog / Adiberto Souza

Adiberto Souza

Adiberto de Souza tem mais de 35 anos de experiência profissional e atuou nas redações de todos os jornais de Aracaju, além de TVs e rádios sergipanos. Foi também correspondente do Jornal do Brasil em Sergipe e do jornal A Tarde (BA). Durante mais de 10 anos, foi editor de política do Jornal da Cidade, em Aracaju. Atualmente é editor e atua como assessor de comunicação.

« página inicial do blog
29/06/2016 às 09h21

João torra dinheiro

João torra dinheiro

Enquanto Aracaju expõe ruas e avenidas esburacadas, a periferia vive às escuras, a saúde paralisada por greves dos servidores, obras inacabadas, salários pagos atrasados, eticétera e tal, o prefeito João Alves Filho (DEM) queima uma pequena fortuna dos contribuintes para propagar loas à sua péssima administração. Um colorido e bem acabado caderno de 24 páginas, publicado hoje pelo Jornal da Cidade, exibe uma Aracaju bem distante da realidade. Quem não conhece os inúmeros problemas da cidade imagina que a capital sergipana é um pedaço do paraíso. Não pecasse pelo surreal, o caro suplemento publicitário ainda fere a Lei, ao publicar fotografias do prefeito João Alves Filho. Segundo o Artigo 37 da Constituição Federal, na publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos não podem constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades. Como se vê, além de gastar recursos públicos para divulgar o irreal, o prefeito desdenha da Carta Magna, como se estivesse acima da lei. Uma lástima!

 

Pisou no freio

Uma péssima notícia: a Petrobras tem conseguido obter junto à ANP a extensão de prazos para conclusão de uma série de compromissos na área de exploração. Segundo o jornal Valor Econômico, a estatal já conseguiu o aval da ANP para postergar a declaração de comercialidade das seis descobertas de óleo e gás na costa de Sergipe (Barra, Poço Verde, Farfan, Moita Bonita, Cumbe e Muriú). A declaração de comercialidade é a etapa que marca o fim da exploração e o início do desenvolvimento da produção de uma descoberta.

 

Strip privê

Após ter perdido uma robusta gratificação, um esbelto policial recorreu ao ‘bico’ para recompor o orçamento doméstico. Decidiu fazer strip tease para animadas rodas de bem capitalizadas dondocas da city. A festa privê está lhe rendendo quase cinco vezes mais do que a polpuda gratificação perdida. “Arrependo-me por não ter pensado nisso antes”, diz o policial, enquanto expõe o cano longo de seu “trezoitão”, para delírio das animadas senhoras.

 

Mudas nativas

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente está plantando na periferia de Aracaju mudas de jatobá, almecegueira, aroeiras salsa e vermelha, candeia, ipê cascudo e pau santo. Segundo a Prefeitura, a valorização de espécies naturais nativas visa estimular os aracajuanos a ajudar na preservação do bioma Mata Atlântica. Legal!

 

Praga verde

Como prefeito biônico de Aracaju, na década de 70, João Alves Filho (DEM) desenvolveu um desastroso projeto de arborização. Autorizou o plantio de milhares de mudas da espécie Pithecellobium Dulce, popularmente conhecida como mata-fome, cassiamimosa e espinheiro. Nativa do México, portanto exótica, esta espécie cheia de espinhos virou uma praga até hoje na capital. As raízes rasas facilitam a queda da árvore, muitas vezes sobre carros. Um horror!

 

Não adoeça

Um popular dizia ontem que o vereador aracajuano Agamenon Sobral (PP) não pode nem pensar em adoecer: “Se ele cair doente é bom não passar nem por perto de um consultório médico. O melhor é procurar um bom pai de santo ou uma rezadeira”, dizia o eleitor de Sobral. Depois de fiscalizar a frequência dos professores nas escolas públicas, Agamenon passou a acompanhar o expediente dos médicos e enfermeiros nos postos de saúde. Nem precisa dizer que as três categorias estão tiriricas com o vereador falastrão.

 

Vale nada

A Vale não tem o menor interesse em investir R$ 4 bilhões para implementar em Sergipe o Projeto Carnalita visando a produção de potássio. Para a mineradora, é muito mais lucrativo trazer o minério do exterior utilizando seus navios, que levam para o mundo as riquezas brasileiras. Para os sergipanos, a concessionária da mina de potássio em Rosário do Catete não vale quanto pesa. Misericórdia!

 

Misturadoras

Boa parte do fertilizante usado na agricultura do Centro-Oeste brasileiro é produzido em Sergipe, onde existem 12 empresas misturadoras. Elas misturam Nitrogênio, Fósforo e Potássio - a famosa fórmula NPK - em grandes quantidades, que são transportadas por caminhões para a fronteira agrícola brasileira. A Vale e a FAFEN são as fornecedoras de potássio e nitrogênio às misturadoras sergipanas.

 

Machistas

Nada menos do que 58,5% dos homens concordam totalmente ou parcialmente com a frase "Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros". Segundo pesquisa feita pelo Ipea, 42,7% dos entrevistados acham que as mulheres que usam roupas mostrando o corpo merecem ser atacadas. Pior: 63% concordaram que “casos de violência dentro de casa devem ser discutidos somente entre os membros da família”. Lastimável que no século 21 ainda se pense assim!

 

Socoooooro!

A violência segue assustando os sergipanos. A criminalidade faz vítimas em todo o estado, porém sua ação é mais sangrenta na Grande Aracaju, onde matar virou uma rotina para a maioria dos bandidos. Até quando seremos obrigados a conviver com essa situação de horror e medo? O poder público precisa agir rapidamente para pôr um fim a quadro tão sinistro, até porque essa incapacidade expõe a fragilidade da nossa política de segurança pública.

 

Maria do pau

E quem está desconsolado é o suplicante de iniciais L.S.C., um verdadeiro saco de pancadas nas mãos da ex-companheira. Cansado de apanhar quase todos os dias da valentona, o rapaz impetrou na Justiça de Sergipe um pedido de medidas de proteção, com base na Lei Maria da Penha. Para tristeza do coitado, o juiz de Direito Luís Lopes Dantas negou a pretensão da vítima, sob o argumento de que a Lei 11.340/2006 destina-se apenas às mulheres e nunca em desfavor delas. Diante disso, só resta a L.S.C, correr às léguas da ex-companheira, principalmente quando ela estiver pra lá de Bagdá. Cruz credo!

 

Recorte de jornal

 

Publicado no jornal aracajuano Folha da Manhã, em 23 de dezembro de 1939.

 

Resumo dos jornais

 

Postado por Adiberto Souza
Comentários